Nesta última quinta-feira, 20 de julho, o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, determinou o bloqueio de R$ 9 milhões da previdência do ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva. Na última quarta-feira também foi feito um bloqueio, mas de valor inferior, R$ 606 mil em contas bancárias.

A BrasilPrev informou que o bloqueio já foi definido e que o dinheiro em conta está em nome da LILS, empresa de palestras de Lula, no valor de R$ 7,19 milhões. O restante do valor da previdência seria de depósitos feitos pelo ex-presidente.

Segundo análise do blogueiro da G1, Helio Gurovitz, para o ex-presidente conseguir guardar toda essa quantia em dinheiro, é necessário fazer aplicações de R$ 5.865,00 por mês supondo que isso dê um rendimento de 5% ao ano.

Publicidade
Publicidade

Além do mais, o indivíduo deve começar a poupar por cerca de 35 anos. Há uma pergunta sobre o valor contido por Lula: ele seria capaz de acumular toda essa fortuna ao longo de anos através de cargos públicos, partidos e aposentadoria?

A força-tarefa da Operação Lava Jato ficou intrigada com as novas descobertas. O que todos querem saber é como o ex-presidente conseguiu acumular tanta fortuna em tão pouco tempo, lembrando que Lula diz que recebeu muito dinheiro vindo de palestras. A existência das palestras não foi comprovada pela #Justiça, já que Lula nunca apresentou documentos que comprovam que é um palestrante nato.

Ao depor para a Polícia Federal, Lula avaliou que cobra cerca de R$ 200 mil por cada palestra realizada, desde 2015 o ex-presidente não se pronunciou em nenhuma palestra e o que também impressiona é que Lula diz que cobra um cachê que seria o dobro de Bill Clinton, ex-presidente dos Estados Unidos.

Publicidade

Lula é um ex-metalúrgico que foi condenado a nove anos e seis meses de prisão por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, Sérgio Moro determinou a condenação e enfatizou que só não prendeu Lula para não causar mais turbulências no Brasil. Lula é réu em cinco processos, e perdeu o primeiro com o caso do triplex, uma imóvel localizado no litoral de São Paulo, na cidade do Guarujá.

Segundo avaliação do ex-secretário-geral do Ministério da Justiça, o advogado José Paulo Cavalcanti, Sérgio Moro teria sido "bonzinho" com a condenação de Lula e acredita que a tendência é que a pena na Justiça só aumente a partir de agora. A segunda instância irá analisar a decisão de Moro e definir o destino do ex-presidente da República. #SérgioMoro