Nesta sexta-feira (30), o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Marco Aurélio Mello permitiu que o senador #Aécio Neves (PSDB-MG) voltasse ao cargo. Ou seja, o ministro autorizou que ele voltasse a exercer as atividades do seu mandato.

A PGR (Procuradoria-Geral da República) havia feito um pedido de prisão preventiva ao senador acusado de corrupção, mas Marco Aurélio negou o pedido. Desde 18 de maio, o senador Aécio Neves está afastado do seu mandato, e essa decisão foi tomada por outro ministro do STF, Edson Fachin. A acusação contra o senador foi de corrupção passiva e obstrução de Justiça.

Segundo Marco Aurélio, não há provas suficientes, como um flagrante, que possam incriminar o senador.

Publicidade
Publicidade

O ministro disse que o suposto crime cometido pelo mineiro não está entre os que não cabem fiança. São crimes inafiançáveis: racismo; tortura, tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, terrorismo, crimes hediondos, ação de grupos armados, civis ou militares contra a ordem constitucional e o Estado Democrático.

Marco Aurélio argumentou que Aécio não foi surpreendido cometendo qualquer tipo de crime e a esperança de prender o senador antes do julgamento é perda de tempo. O ministro também autorizou que o senador possa entrar em contato com os demais investigados no processo. No entanto, continua impedida a relação com a irmã, porque é precondição da prisão domiciliar de Andrea Neves que esse contato seja evitado.

Aécio Neves fala sobre decisão de Marco Aurélio Mello

Por meio de uma nota, o senador Aécio Neves declarou que sempre acreditou na Justiça brasileira e que sabia que ela não iria deixá-lo na mão.

Publicidade

Ele revelou que irá seguir representando o Estado de Minas Gerais como senador porque foi eleito por mais de 7 milhões de eleitores mineiros.

Aécio lembrou que está na política há mais de 32 anos e nunca lhe faltou seriedade e determinação em seus mandatos. O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) disse que essa determinação é justíssima e equilibrada. Segundo ele, essa decisão é um ato de respeito à Constituição e a determinação anterior não tinha nenhum respaldo jurídico. O senador cearense ainda disse que acredita que o mineiro é inocente e que a sua volta irá fortalecer o partido PSDB.

Ainda não se sabe quando Aécio Neves voltará a exercer o seu cargo. Quando ele retornar, o senador continuará recebendo o seu salário de mais de R$ 30 mil. Vale lembrar que a vitória de Aécio e a soltura do ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), assessor do presidente Michel Temer, têm impacto positivo para Temer, já que, #preso, Loures era considerado um delator em potencial. #Ministro STF