Publicidade
Publicidade

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato e procurador da República, Deltan Dallagnol [VIDEO], recebeu um pedido do presidente do Tribunal de Contas da União (#TCU), Raimundo Carreiro, para que marcasse em sua agenda um dia para conversarem sobre as decisões da Corte em relação aos acordos de leniência firmados pelo Ministério Público Federal (MPF).

O coordenador atendeu ao pedido e sugeriu três datas para se encontrarem: 8, 9 ou 10 de agosto. Nesta quarta-feira (26), Raimundo Carreiro falou na sessão do TCU que o dia 10 seria muito bom para o encontro. Alguns ministros presentes ficaram furiosos com Carreiro e disseram que não entendiam o porquê do encontro.

Publicidade

A data do dia 10 também não foi bem aceita por eles.

Esse possível encontro com Dallagnol assustou alguns ministros. Dois que estavam presentes já afirmaram que não iriam comparecer. Diante de todo esse desentendimento, a reunião foi cancelada e o presidente do TCU terá que pedir desculpas para o coordenador da Lava Jato.

Propina

Na metade do mês de julho, a Polícia Federal encontrou indícios de que os ministros do TCU estavam envolvidos, juntamente com a cúpula do PMDB, em esquemas para favorecer uma construtora que estava sendo investigada na Operação Lava Jato. Uma obra em Angra dos Reis era o centro das investigações, onde os investigadores suspeitavam de um contrato fraudulento no valor de R$ 3 bilhões.

Segundo a Polícia Federal, o presidente do TCU e um outro ministro estavam envolvidos nesse esquema criminoso que ajudou a construtora UTC.

Publicidade

O ministro alvo das investigações é Aroldo Cedraz , que estava sendo acusado de passar informações preciosas do tribunal para a UTC.

A PF chegou até Raimundo Carreiro através da delação do dono da UTC, Ricardo Pessoa. Conforme depoimento de Pessoa, o presidente da TCU recebeu R$ 1 milhão e com isso a construtora não teve problemas no contrato de Angra.

O processo corre sob sigilo e a corregedoria vai acompanhar as análises do MPF sobre o relatório da PF. Políticos do PMDB também foram envolvidos nesse esquema de #Corrupção e lavagem de dinheiro. Os senadores peemedebistas envolvidos são: Renan Calheiros, Romero Jucá e Edison Lobão.

Defesa dos envolvidos

O presidente Raimundo Carreiro disse que aguarda o resultado das investigações e que todos os sigilos bancários dele já haviam sido quebrados pela Justiça. O ministro Aroldo Cedraz afirmou que suas ações pautam pelo respeito e pela ética e que, se convocado, dará seu depoimento.

Renan Calheiros disse que não tem nada a ver com essas obras e os outros senadores disseram que estão sendo vítimas por pertencerem ao PMDB. Talvez, todos esses fatos mostram que os ministros do TCU querem distância de Dallagnol. #Deltan Dallagnol