O deputado federal Jair #bolsonaro (PSC-RJ) não será candidato à Presidência em 2018 nem pelo Partido Social Cristão (PSC) nem pelo Partido da República (PR). O destino do parlamentar deve ser o partido Muda Brasil (MB).

A legenda que deve ser criada por dissidentes do PR deve ter Bolsonaro como principal liderança. Ao dele, no comando do #Muda Brasil, estarão os filhos Eduardo Bolsonaro, deputado federal pelo estado de São Paulo, e Flavio Bolsonaro, deputado estadual no Rio de Janeiro.

Para isso acontecer, o partido precisa estar registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até outubro deste ano – um ano antes do pleito de 2018.

Publicidade
Publicidade

O pedido de registro já está tramitando no TSE.

Políticos como o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) e o senador Magno Malta (PR-ES) também podem migrar para a legenda e angariar votos para Bolsonaro nas eleições presidenciais do ano que vem.

A mudança pode ser bastante positiva para Jair Bolsonaro, que se vê como um peixe fora d’água no Partido Social Cristão. O partido liderado pelo Pastor Everaldo fez alianças que deixaram Bolsonaro revoltado nas últimas eleições estaduais.

Em algumas cidades, o PSC juntou-se ao Partido Comunista do Brasil (PC do B), o que revoltou Bolsonaro e seguidores mais conservadores do partido. O medo do pré-candidato à Presidência da República era o de permanecer no PSC, ter sua cabeça pedida antes das eleições e não poder concorrer ao cargo de mandatário máximo da nação.

Publicidade

Novas legendas

Faltando mais de um ano para as eleições de 2018, o Brasil vai ganhando novos partidos políticos. Recentemente, foi lançado o Podemos, que já anunciou o nome do senador Álvaro Dias como pré-candidato à Presidência. Nomes de peso, como o do senador Romário, migraram para a nova legenda.

Em breve, o Muda Brasil será mais um dos partidos políticos brasileiros. E já há outro em fase de registro: o Igualdade (IDE), que terá como principal bandeira a inclusão de pessoas com deficiência para serem candidatos a cargos do Executivo e Legislativo. Caso os partidos sejam aprovados pelo TSE, haverá 37 legendas nas eleições de 2018.

A principal ideia por trás dos novos partidos que estão sendo criados é justamente a de que o Brasil precisa de uma renovação na política. Partidos como PT, PSDB e PMDB, os três principais do país, estão com índice de rejeição muito alto.

Resta esperar para ver o que acontecerá com essas novas legendas. Primeiro, se serão aprovadas. Segundo, se serão bem vistas pela população. #Eleições 2018