Enquanto o presidente Michel #Temer discursava nesta sexta-feira (21) em Mendoza, na Argentina, o seu ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, dormia como se não houvesse uma reunião tão importante ali.

A reunião nada mais era que o 50ª encontro da cúpula do Mercosul. Uma hora nada conveniente para qualquer estadista cochilar.

As cochiladas de Meirelles e o encontro do Mercosul

Meirelles estava sentado ao lado de Michel Temer. Mesmo assim, talvez não sentindo a importância da reunião e nem do seu presidente que discursava naquele momento, o ministro se descuidou e caiu em alguns cochilos.

Para piorar: as câmeras ainda captaram Meirelles pendendo a cabeça e bocejando durante seus lapsos de acorda e dorme.

Publicidade
Publicidade

O presidente Michel Temer saiu do Brasil na quinta-feira (20) com destino à Argentina. O encontro do Mercosul tinha por objetivo a reunião dos países membros do bloco, composto por Uruguai, Paraguai, Brasil e Argentina.

No discurso apresentado no encontro do bloco sul-americano, o presidente brasileiro apoiou e estimulou mais aproximação dos países membros. E mostrou preocupação com o país venezuelano que, desde dezembro 2016, está fora do Mercosul.

O discurso de Temer sobre o caso humanitário da Venezuela

O presidente disse que o Mercosul não admitiria um país que feriu os preceitos democráticos, como fez a Venezuela, participar do bloco.

A voz de Temer, mesmo sendo muito questionada pelo povo brasileiro, ainda tem uma importância muito grande para o bloco, visto que o Brasil tem uma posição política e econômica superior aos outros países participantes do Mercosul.

Publicidade

Além disso, é tido como líder e principal influenciador para a reprovação ou aprovação das pautas ali colocadas.

Temer continuou seu discurso afirmando que não queria a decadência do quadro político-institucional, apontando que era isso que estava acontecendo com a Venezuela, que apresenta uma grave crise institucional e humanitária.

E completou dizendo que foi muito difícil para se conquistar a democracia no Brasil. Por isso, diante das atrocidades que o país venezuelano passa, não colocará em risco retroceder e aceitar as políticas que são implantados por Nicolás Maduro, presidente da Venezuela.

A Venezuela passa por uma crise sócio-econômica desde 2013, no mesmo ano em que o idolatrado presidente, Hugo Chavéz, faleceu. Logo após sua morte, quem passou a governar foi Nicolás Maduro, o atual presidente da Venezuela. #Meirelles dorme #Meirelles dorme em reunião do Mercosul