O presidente Michel Temer, com o intuito de se salvar da #denúncia feita contra ele, decidiu tomar uma atitude surpreendente. Temer ofereceu cargos que são ocupados atualmente pelo PSDB, para os partidos PP, PSD, PRB e PR. Com o objetivo de receber ajuda desses partidos, o presidente decidiu tomar tal decisão. Foram realizadas nos últimos dias algumas reuniões que contavam com a presença dos principais representantes desses partidos, e durante esses encontros #Temer afirmou que pretende remanejar ministérios comandados pelo PSDB.

De acordo com a “Folha”, o presidente afirmou que está contando com aliados fiéis, e que todos os partidos que continuarem mantendo a fidelidade ao seu governo serão posteriormente recompensados.

Publicidade
Publicidade

Temer fez crítica em relação às atitudes do PSDB que corresponde a 46 deputados, e tem controle de quatro ministérios. Ele disse que a atitude do referido partido em querer sair da base de seu governo é prejudicial e que por conta desse comportamento dos tucanos, não há condições deles continuarem ocupando os cargos em sua gestão.

Desta forma, o presidente sugeriu, como estratégia, redistribuir os cargos dos tucanos aos partidos que podem lhe ajudar. Ele necessita de pelo menos 172 apoiadores para que se salve das denúncias na Câmara.

Relator apresentou parecer de denúncia contra o presidente

Na última segunda-feira (10), o deputado Sérgio Zveiter, que é o relator da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), prestou o relato de denúncia contra Michel Temer, que está sendo acusado de ter praticado o crime de corrupção passiva.

Publicidade

O presidente passou a ser investigado após a denúncia realizada pela Procuradoria Geral da República. A atitude de denunciar o presidente ocorreu devido à divulgação das delações que foram feitas por executivos da J&F, que gerenciam a JBS.

CCJ aprova novo relatório e recomenda rejeição de denúncia contra o presidente

O relatório feito pelo deputado Sergio Zveiter (PMDB-RJ) foi rejeitado, e, nesta quinta-feira (13), foi aprovado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, um novo relatório realizado por Paulo Abi-Ackel (PSDB-MG). A CCJ decidiu ainda fez uma recomendação ao Plenário, na qual sugeria a rejeição da denúncia contra Michel Temer.

O novo relatório teve aprovação de 41 a 24 e passará pela decisão final da Câmara do Plenário que irá analisar a situação.

O governo comemorou a decisão tomada pela CCJ e afirmou que “a democracia e o direito tiveram vitória”.