A #Polícia Federal prendeu o ex-ministro Geddel Viera Lima nesta segunda-feira (03). Ele é acusado de usar um dos principais bancos do país para fazer "negócios ilícitos". O Ministério Público Federal disse que Vieira Lima recebeu subornos de empresas que negociavam empréstimos da Caixa, um banco público. Ele teve a ajuda do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que atualmente está na #Prisão. Entre 2011 e 2013, Vieira Lima ocupou o cargo de vice-presidente jurídico da Caixa. A evidência mostra que ele "agiu de maneira orquestrada" para beneficiar as empresas em troca de subornos.

A Polícia Federal prendeu Geddel Viera Lima em seu estado natal, Bahia.

Publicidade
Publicidade

O Ministério Público Federal disse que o ex-ministro brasileiro recebeu subornos de empresas que negociam empréstimos da Caixa Econômica Federal. Além disso, ele contou com a ajuda do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha, que atualmente está preso. A investigação que levou a este último escândalo de corrupção começou por acaso. Em dezembro, a polícia apreendeu o celular de Eduardo Cunha.

Os investigadores encontraram conversas longas e explícitas entre os dois políticos. "Os diálogos não deixam dúvidas de que “ambos os políticos” procuraram vantagens ilícitas". O esquema incluiu empresários do setor de carne, como Joesley e Wesley Batista, da JBS, bem como administradores de estradas.

O histórico de Geddel

Entre maio e novembro de 2016, Vieira Lima foi secretário de governo. Ele negociou diretamente com o Congresso, mas desistiu em novembro na sequência de um escândalo de corrupção.

Publicidade

Geddel foi ministro da Integração Nacional durante o governo de Lula, entre 2007 e 2010. No ministério, realizou a transposição do rio São Francisco, que ele prometeu cumprir em seu mandato. As primeiras partes do projeto ficaram prontas apenas em 2017.

Outras acusações de corrupção

O ex-ministro da Cultura, Marcelo Calero, acusou o secretário de governo do governo de venda de influências. Calero informou funcionários que Vieira Lima tentou influenciar o Instituto Nacional de Patrimônio Histórico e Artístico do Brasil para beneficiar um projeto imobiliário próprio. Além disso, Vieira Lima foi acusado de tentar usar o poder de seu escritório para obter uma licença para um prédio de luxo à beira-mar na cidade de Salvador no nordeste. De acordo com um relatório publicado pela Folha de S.Paulo, #Temer tentou forçar Calero a resolver o problema.