O Partido dos Trabalhadores está vivendo uma grande crise junto com os membros de sua cúpula, já que o ex-presidente da República Luiz Inácio #Lula da Silva foi condenado, em primeira instância, pelo juiz federal Sérgio Moro, no âmbito da Operação Lava Jato, pelo caso do tríplex no Guarujá, no litoral de São Paulo, onde o petista é acusado de ter recebido o imóvel em forma de propina da empresa da OAS. O apartamento de três andares seria uma recompensa pelo ex-presidente ter favorecido a empreiteira em firmamentos de contratos com a estatal Petrobrás.

Caso o ex-presidente Lula seja condenado em segunda instância, o que deve demorar cerca de um ano, mas provavelmente acontecerá antes das eleições presidenciais de 2018, o petista não poderá se candidatar para qualquer cargo público de acordo com a 'Lei da Ficha Limpa'.

Publicidade
Publicidade

Na sentença de Moro, o magistrado cita que por meio da lei da lavagem de dinheiro, o ex-presidente não poderá se candidatar por 19 anos a qualquer cargo público, mesmo se o Tribunal Regional Federal da 4° Região revogar a condenação de Lula, poderá manter a decisão para o petista não poder se candidatar durante 19 anos.

Decisão do PT

O partido de Lula estava contando com o ex-presidente para ser o candidato à presidência da República pela legenda do partido em 2018, até porque o próprio estava dominando as pesquisas de possíveis presidenciáveis, sempre com cerca de 30% das intenções de votos, seguido do deputado federal Jair Messias Bolsonaro que, geralmente, fica com cerca de 20% dos votos válidos dos eleitores, travando um segundo turno entre os dois.

Com a grande possibilidade de Lula não poder se candidatar, a cúpula do #PT já vem pensando em soluções para as eleições de 2018, algumas especulações afirmaram que o partido estaria cogitando lançar Dilma Rousseff como candidata, já que a ex-presidente sofreu impeachment por crime de responsabilidade e isso não impede que ela se candidate novamente, porém, a opinião demonstrada pelo líder do partido no Senado Federal foi diferente.

Publicidade

Lindbergh Farias afirmou que a eleição de 2018 será boicotada pelo partido e que o PT não lançará candidato para a disputa presidencial, já que não considerará as eleições do ano que vem como válidas. Ele defendeu que o partido lance uma base forte na Câmara dos Deputados para reforçar os discursos do Partido dos Trabalhadores dentro do Congresso Nacional e, assim, o partido ganharia mais voz. #Eleições 2018