A eleição presidencial do ano de 2014 acabou sendo marcada por uma tragédia no mundo político. O então candidato pelo PSB à Presidência da República, Eduardo Campos, acabou morrendo em um acidente aéreo.

A morte do ex-governador de Pernambuco, é claro, despertou muitas teorias da conspiração e uma investigação aprofundada, não apenas da Aeronáutica, como também da Polícia Federal. A apuração acabou descobrindo algo bem além do acidente e provocando uma reviravolta, especialmente em relação ao nome de Campos, que agora é alvo de acusações de ter se envolvido em um esquema de corrupção.

Dono do avião de Eduardo Campos era o seu próprio assessor

No período da morte de Campos, o Brasil estava polarizado entre o PSDB, do então candidato Aécio Neves, e o Partido dos Trabalhadores (PT), de Dilma Rousseff.

Publicidade
Publicidade

Campos se oferecia como terceira via, especialmente em tempos em que o país já vivia inúmeros escândalos de corrupção.

Naquele período, como lembrou a revista Veja em uma ampla reportagem publicada nesta sexta-feira (28), o #PSB passava impune às acusações referentes à Operação Lava Jato, mas nem tudo eram flores.

Operação Fair Play investiga esquemas de corrupção durante o governo Campos, em Pernambuco

Mas a rota de Campos e de seu partido mudou radicalmente em agosto de 2014, quando o jatinho Cessna Citation 560, que transportava o candidato a presidente, caiu em Santos, no litoral paulista. A Polícia Federal começou a apurar o falecimento de #Eduardo Campos e logo destrinchou a apuração da morte com coisas que estavam ao redor.

Logo, nasceria a Operação Fair Play, que investigou denúncias de corrupção durante o governo de Campos para a construção da Arena de Pernambuco.

Publicidade

Esquema do avião de Eduardo Campos é descoberto e delator conta tudo

Ao todo, foram três anos de investigação para se chegar à conclusão de quem seria o dono do avião do ex-governador de Pernambuco. Um esquema com suspeitas de superfaturamento na compra da aeronave chegou a ser descoberto.

Um dos delatores durante a apuração contou ao Ministério Público quem seria o verdadeiro dono da aeronave. A divulgação desse surpreendeu muita gente. O dito cujo é Aldo Guedes Álvaro, que era braço-direito e assessor do candidato presidente.

O que ninguém entende até agora é porque ele não disse que era o proprietário da aeronave, nem mesmo após a morte do candidato. Há, inclusive, a suspeita de que Aldo possa ser uma espécie de laranja e o avião, na verdade, ser de Eduardo Campos. #Política