O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela investigações da Operação Lava Jato, sentenciou nesta última quarta-feira (12) o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva [VIDEO], em nove anos e seis meses de cadeia. Além da condenação de #Lula, outras seis pessoas acabaram "encrencadas" na Justiça sobre a compra e reforma de um tríplex localizado no litoral de São Paulo, Guarujá.

O juiz Sérgio Moro, revelou durante a sentença que se sentiu intimidado e o motivo de não decretar a #Prisão preventiva de Lula foi por "prudência". Segundo Moro, os advogados de defesa de Lula se utilizaram de práticas "questionáveis", tentando, de todas as formas, intimidar o juiz e enfatizando que os crimes cometidos por Lula são improcedentes.

Publicidade
Publicidade

Moro cita que, além dele, agentes da Lei e delegados também foram intimidados pelos advogados. Sérgio Moro citou que a defesa se baseou em dizer que Lula sofreu crimes contra a sua honra.

Sérgio Moro explicou que este comportamento da defesa do ex-presidente poderia fazer com que fosse declarada uma prisão preventiva, considerando também o fato ocorrer tentativas de obstrução provas. Moro citou que até a empresa foi intimidada, já que ocorreu ações contra jornalistas que revelaram provas importantes em todo o processo. O juiz federal também citou o fato de Lula "ameaçar" procuradores da República e delegados da Polícia Federal. O ex-presidente enfatizou que caso voltasse a assumir o poder no Brasil, essas pessoas iriam ser presas.

O juiz federal Sérgio Moro ganhou grande notoriedade na mídia após assumir casos envolvendo grandes nomes da sociedade.

Publicidade

O ex-presidente Lula, em todo os processos que ocorrem contra ele, avalia que está sendo "vítima" e que Moro está fazendo uma espécie de "perseguição". Sérgio Moro decidiu, em primeira instância, a condenação de Lula. Agora o caso será julgado através da segunda instância. O petista poderá perder o direito de se tornar candidato para as eleições presidenciais de 2018.

Sérgio Moro explicou que, para "evitar traumas", resolveu não decretar a prisão preventiva de Lula. O ex-presidente poderá responder por liberdade e irá aguardar o processo na Corte de Apelação. Moro enfatiza que a forma como os processos aconteceram revelam que a intimidação contra agentes públicos federais foram inapropriadas e que a sua decisão sobre a sentença não o leva a nenhum tipo de "satisfação pessoal". Moro lamenta que um ex-presidente, pela primeira vez na história, seja condenado criminalmente. #SérgioMoro