Jair Bolsonaro [VIDEO], deputado federal, coligado ao PSC (Partido Social Cristão) é uma das grandes apostas para a corrida presidencial de 2018 e já aparaceu em empate técnico com Lula [VIDEO] na última pesquisa realizada pelo DataPoder360. O parlamentar tem grandes expectativas em disputar a eleição, apesar das críticas. Na tarde desta terça-feira (25), #bolsonaro postou o seguinte vídeo em suas redes sociais:

No vídeo, o deputado relata a emenda constitucional do voto impresso (PEC), de sua autoria, e explica que a impressão do voto será obrigatória a partir das eleições gerais de 2018. O registro do voto em papel será feito por impressoras acopladas às urnas.

Publicidade
Publicidade

Após digitar os números do candidato, o eleitor poderá conferir em um visor de acrílico o voto impresso, que cairá em uma urna lacrada. Segundo Bolsonaro, a nova regra deixará o sistema mais seguro.

A fraude descrita pelo mandatário está no fato do TSE disponibilizar apenas 35 mil urnas com capacidade de impressão dentro de uma necessidade de 600 mil, ou seja, menos de 10% do total. Bolsonaro declara que, dessa forma, a fraude poderá se estender a senadores e deputados e complementa dizendo que os políticos temem que a nação brasileira escolha um candidato honesto, cristão e patriota. O deputado termina seu discurso apelando para que as mídias sociais trabalhem divulgando o caso.

A citada Lei

A Lei do voto impresso foi aprovada pelo Plenário do Senado em novembro de 2015, com grandes influências de Aécio Neves e um grupo de senadores.

Publicidade

A Lei 13.165/2015 havia sido vetada pela Comissão de Reforma Política atendendo a uma recomendação dos técnicos do TSE, que afirmaram que o custo de imprimir cada voto do país seria alto demais.

O maior benefício descrito pelos apoiadores é a segurança, a condição de contabilizar os votos por meio manual, ou seja, em caso de suspeita de fraude, os votos impressos poderão ser calculados e comparados ao que foi registrado na urna eletrônica. Os opositores afirmaram ser um retrocesso e citaram a dificuldade na implementação e manutenção das urnas, concluindo que as eleições voltariam a ser problemáticas.

A experiência já realizada

Em 2002, em Sergipe, Distrito Federal e mais de sessenta municípios contaram com o artifício do voto impresso. Foram mais de sete milhões de votos computados pelas urnas com capacidade de impressão, porém segundo Giuseppe Janino, do TSE, muitas complicações ocorreram como aumento do tempo nas filas de votação; problemas nas impressoras ou nas impressões e o atraso na conferência dos votos físicos.

A inovação não foi consenso entre os políticos, no entanto foi aprovada e deverá entrar em vigor a partir das eleições de 2018. Você é a favor do voto impresso? #Bolsomito #VotoImpresso