A ex-empregada doméstica do deputado federal Tiririca (PR-SP), Maria Lúcia Gonçalves, prestou queixa alegando que o parlamentar a assediou sexualmente durante viagens que fizeram a São Paulo e Ceará no ano passado.

Maria Lúcia contou que o primeiro caso de assédio ocorreu em são Paulo, quando ela veio com o deputado, a esposa Nana Magalhães e a filha do casal de oito anos, além de assessores do parlamentar. O motivo da viagem era uma participação no talk show de Jô Soares. Segundo ela, após a gravação, #Tiririca chegou exalando cheiro de álcool e a agarrou por trás, dizendo que teria uma relação sexual na frente de todos que estavam ali, inclusive a filha.

Publicidade
Publicidade

Maria Lúcia disse que conseguiu se soltar, mas que ele continuou a perseguindo e, enquanto pedia ajuda, todos em volta gargalhavam.

Novas tentativas

Alguns dias depois, segundo a doméstica, novas investidas de Tiririca teriam ocorrido. Dessa vez, em um sítio perto de Fortaleza. Durante festas que ocorreram no local, o deputado voltou a dizer que queria ter uma relação sexual com ela e chegou a apalpá-la. Em algumas ocasiões, afirmou que ela iria gostar se experimentasse.

Ainda segundo Maria Lúcia, Tiririca pegou o celular com gravações das atitudes criminosas e teria o jogado no mar.

Denúncia

O caso foi registrado na 10ª delegacia de polícia do Distrito Federal, mas acabou transferido para o Supremo Tribunal Federal (STF) no final do último mês, tendo em vista que, por ser deputado, Tiririca tem direito a foro privilegiado.

Publicidade

O processo foi distribuído ao ministro Celso de Mello, que retirou o sigilo dos autos

O caso também foi relatado em fevereiro deste ano, na 21ª vara trabalhista de Brasília, através do advogado de Maria Lúcia, José Orlando de Amorim.

Tiririca se defende

A defesa de Tiririca afirma que a empregada doméstica não se adaptou à rotina da família e está tentando extorquir o deputado e sua família em 100 mil reais desde junho do ano passado, quando foi demitida.

Na delegacia, a esposa de Tiririca afirmou que demitiu a empregada logo após a viagem para o Ceará e que motivo da demissão foi pelo fato de Maria Lúcia consumir bebida alcoólica durante o trabalho.

Ainda segundo Nana Magalhães, após a demissão, começaram as ameaças de extorsão por parte de Maria Lúcia. Segundo sua assessoria, o deputado Tiririca prometeu divulgar uma nota explicando o caso, mas até a presente data ainda não se manifestou. #Assédio Sexual #Jô Soares