O #Ministério Público Federal (MPF) ratificou, nesta última quarta-feira (9), parcialmente as 28 denúncias pelo crime de peculato de 72 ex-deputado federais. Os crimes foram cometidos no que ficou conhecido, em 2009, como esquema da "farra das passagens [VIDEO]". Esse episódio se deu quando um grupo de políticos utilizava a verba de auxílio parlamentar e negociava com empresas de turismo na compra de passagens aéreas. O esquema estourou em 2009, mas só no fim do ano passado que o caso chegou à Justiça.

Segundo avaliação do MPF, os ex-deputados investigados foram responsáveis pela compra de 13.877 bilhetes. Nessas passagens, foram gastos R$ 8,3 milhões.

Publicidade
Publicidade

Esses bilhetes aéreos comprados irregularmente eram repassados a amigos e parentes dos deputados da época.

Relembre

À época, diversos nomes importantes do cenário político estavam no meio do esquema. ACM Neto, prefeito de Salvador atualmente, que ocupava uma das cadeiras na Câmara dos Deputados em 2009, ao ser questionado naquele momento, confirmou que sua mulher voou com passagem comprada com dinheiro público.

Outro nome que na época admitiu usar o dinheiro da Câmara para gastos pessoais foi o próprio Michel Temer, que afirmou, segundo matéria do Bom dia Brasil de abril de 2009, que ele e sua família fizeram uso das passagens. #Dentro da política