Publicidade
Publicidade

Várias pessoas estranharam a atitude do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO], Ricardo Lewandowski, de não se declarar suspeito para votar no julgamento que libertou o advogado Willer Tomaz. Segundo informações do site da Veja, os dois eram colegas e isso trouxe desconfiança e questionamentos.

O advogado teria subornado o procurador da República, Ângelo Goulart Vilella para que ele lhe passasse informações da Operação Greenfield. A Operação trata de um rombo bilionário nos maiores fundo de pensão do país.

Na terça-feira (01), o #STF decidiu pela soltura do advogado e do procurador. A votação ocorreu na Segunda Turma da Corte e teve empate.

Publicidade

Quando acontece o empate, o réu é beneficiado. Os ministros Edson Fachin e o decano Celso de Mello votaram pela permanência dos dois na cadeia, enquanto Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski não viram necessidade do advogado e do procurador estarem presos até o término do julgamento.

Investigações em risco

De acordo com as informações do Ministério Público Federal (MPF), o advogado Willer Tomaz se aproveitou de sua relação com o procurador e obteve vários informações para repassar aos seus clientes. Em troca dessa ajuda corrupta, Tomaz beneficiava Vilella com R$ 50 mil mensais. Os dois, por enquanto, estão presos na Penitenciária da Papuda.

O subprocurador-geral da República, Rogério de Paiva Navarro, ressaltou que mesmo que o advogado seja réu primário e não tenha nenhum antecedente criminal, sua liberdade colocaria em risco as investigações e isso seria péssimo para a conclusão dos fatos.

Publicidade

Segundo Navarro, a relação entre o advogado e o procurador poderiam afetar até mesmo futuras decisões do procurador-geral da República, Rodrigo Janot [VIDEO], já que Tomaz ficaria por dentro do que iria acontecer. Mesmo assim, os ministros Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes acreditam que o advogado e o procurador não devem ser punidos antes de concluir as investigações.

Informações sigilosas

No mês de março, o procurador Ãngelo Goulart Vilella foi lotado para participar da Operação Greenfield. Porém, ele começou a ter algumas atuações duvidosas e os investigadores decidiram ficar atentos com isso. Janot acionou o STF e conseguiu permissão para monitorar os passos do procurador e descobriu que ele passava informações da Operação por meio de áudios gravados.

O empresário Joesley Batista confirmou aos investigadores que o procurador era orientado a passar informações sigilosas. A defesa de Vilella nega o fato. #investigação