Publicidade
Publicidade

O que ano passado parecia uma simples relação de apadrinhamento político, com o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB [VIDEO]), mostrando força e conseguindo eleger prefeito de São Paulo seu afilhado político, João Doria (PSDB), começa a rachar. A polêmica toda envolta sobre os tucanos se dá pela eleição presidencial de 2018.

Até a eleição de João Doria no ano passado, Geraldo Alckmin via apenas o senador Aécio Neves como um possível concorrente interno no #PSDB a posição de candidato à presidência da República. Porém, após todo o marketing pessoal feito pelo prefeito de São Paulo, o antigo pupilo começa a incomodar o padrinho.

Publicidade

Doria iniciou um campanha de nacionalização de seu nome. O empresário esteve em Salvador na última segunda-feira (7), onde, inclusive, foi recebido com uma ovada na cabeça, e viajará nos próximos dias para alguns estados do Norte e Nordeste.

Além dessa estratégia, o prefeito também já realizou conversas com DEM, PMDB e PRB buscando uma sinalização sobre uma possível candidatura sua à presidência em 2018.

João Doria está longe de ser uma unanimidade até dentro de seu partido. Começando a roer a corda da aliança com Geraldo Alckmin, pode ser que o prefeito de SP, mais dia menos dia, se torne uma peça de marketing fora dos planos tucanos. #Dentro da política