Publicidade
Publicidade

O presidente da República #Michel Temer se encontrou na última segunda-feira (07), com João Doria, prefeito da maior cidade do país; São Paulo. O encontro ocorreu na sede da Prefeitura da capital paulista e ambos tiveram uma conversa bem franca, a respeito, dentre outros assuntos, sobre as próximas eleições presidenciais em 2018. Anteriormente a um evento em que o mandatário do país distribuiu, de forma pública, "afagos" dirigidos ao prefeito paulistano. Joao Doria tem sido um grande defensor das reformas trabalhista e previdenciária, implementadas pelo Palácio do Planalto.

As demonstrações públicas de Michel Temer tem causado ou mesmo, provocado uma reação por parte do governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, que também pleiteia a vaga do PSDB para concorrer ao posto máximo da nação, de presidente da República.

Publicidade

Vontade expressada pelo presidente Michel Temer

O presidente da República, Michel temer, manifestou, de modo incisivo, o forte "desejo" de que o prefeito de São Paulo João Doria (PSDB-SP), possa até mesmo, fazer parte dos quadros políticos do PMDB, para a disputa presidencial em 2018. O presidente Temer teria afirmado a João Doria, que "as portas do PMDB estariam abertas para o prefeito", em alusão à disputa da próxima eleição em 2018.

Entretanto, o prefeito João Doria tem se manifestado publicamente, de forma contrária, em relação à disputa pelo cargo de presidente da República. Doria tem afirmado enfaticamente que "não iria participar da disputa em relação ao pleito, já que o governador de São Paulo Geraldo Alckmin, que é padrinho político do prefeito de São Paulo, poderá se colocar como o candidato do PSDB", Além disso o prefeito de São Paulo rejeita a ideia de que possa deixar o quadros do PSDB.

Publicidade

Porém, seus aliados acreditam que uma mudança de sigla poderia acontecer, se caso o governador Geraldo Alckmin deicda não apresentar seu nome como candidato, por algum motivo que seja, ou até mesmo, pelo fato de Doria vier a ter o seu nome vetado pela cúpula tucana. Com a proximidade das eleições presidenciais, o prefeito paulistano passou a montar uma agenda de presidenciável, neste mês de agosto. Somente em uma semana, João Doria já se reuniu com cerca de seis ministros de governo, além do próprio presidente da República.

Estiveram em São Paulo, os ministros do Governo, Antonio Imbassahy, da Educação, Mendonça Filho, da Defesa, Raul Jungmann e nesta quarta-feira, foi recebido o ministro das Cidades, Bruno Araújo. No último sábado, esteve em São Paulo, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, para uma reunião do Mercosul, para tratar sobre a crise da Venezuela, na sede da Prefeitura de São Paulo.

#Eleições 2018 #João Dória