Eduardo Campos morreu em 2014 quando era candidato à Presidência da República. Ele disputava com grandes nomes da política brasileira o pleito, como Dilma Rousseff, do Partido dos Trabalhadores (PT), e Aécio Neves (PSDB). Visto como possível terceira via, Campos morreu um dia depois de dar uma entrevista para o ‘’Jornal Nacional’’.

O representante do PSB morreu em uma queda de aeronave em Santos, no litoral de São Paulo. Autoridades brasileiras concluíram que a queda foi um acidente, mas a família de Eduardo contesta a perícia e decidiu entrar na Justiça para estender as investigações

Juíza acata pedido de família de Eduardo Campos e não prescreve tempo para apurar queda de avião

Mesmo após tanto tempo, ainda há muitas dúvidas sobre o que teria acontecido naquela data tão tensa.

Publicidade
Publicidade

A juíza Alessandra Nuyens Aguiar Aranha, a 4ª Vara Federal de Santos, decidiu acatar um pedido da família de Campos e agora o tempo para que ações na Justiça sobre a morte do ex-candidato à presidência tiveram o seu prazo de prescrição interrompido. Com isso, a família pode fazer um processo relativo ao caso.

Parentes de Eduardo Campos não acreditam que queda de avião tenha sido acidente

A família de #Eduardo Campos não concorda com o laudo feito pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). A mãe do ex-governador de Pernambuco, Dona Ana Lucia, e um irmão dele, Antonio Ricardo, decidiram entrar na Justiça para contestar o laudo do Cenipa que fala que a queda do avião foi um acidente.

Na época da conclusão de seu laudo, o órgão ligado à Aeronáutica disse que um conjunto de quatro fatores teria contribuído para o acidente.

Publicidade

A desorientação provocada pelo clima ruim e a suposta imperícia dos pilotos estão entre elas. A família do político não acredita que esse seja o verdadeiro motivo para a queda da aeronave.

Provas antecipadas de acidente com Eduardo Campos surpreendem juíza

A juíza ainda solicitou ao Ministério Público Federal (MPF) que analise porque o acidente teve provas antecipadas. Além disso, a União e a empresa que fabricou o jato que caiu com Campos, agora podem continuar no prazo para que sejam processadas.

Além de Campos, a queda da aeronave matou outras seis pessoas no mês de agosto de 2014. Após três anos, muita coisa ainda intriga o público. Alguns eleitores acreditam até que Campos possa ter sido alvo de uma espécie de tramoia, que o matou.

E você, acredita que há algo por trás da queda do avião de Eduardo Campos? Deixe seu comentário. #Acidente aéreo