Publicidade
Publicidade

O ex-governador do Rio de Janeiro Anthony Garotinho está vivendo novamente momentos de apuro com a Justiça. [VIDEO] Tudo indica que o juiz da 100° Vara Eleitoral, Ralph Manhães está, junto com o ex-governador, em uma "briga" que mais parece coisa de novela brasileira.

Garotinho está acusando o juiz Manhães de estar procurando pretexto para colocá-lo novamente no presídio, antes mesmo de terminar o processo que o investiga na Operação Chequinho. Nesta sexta-feira (4), o magistrado alegou que o ex-governador está se recusando de receber uma intimação, fugindo a todo o custo da Justiça. Na versão da defesa de Garotinho, o juiz estaria tentando ameaçá-lo.

Publicidade

Nesta quinta-feira (3), um oficial de Justiça esteva no prédio residencial de Garotinho com a intimação em mãos. Familiares do político afirmaram que ele estaria dormindo e pediu para que o oficial o procurasse no local onde ele trabalha. O juiz afirma que o fato do ex-governador não se apresentar para receber a intimação é um descumprimento da lei de medida cautelar em que obriga a presença do acusado em todos os atos do julgamento.

Garotinho utilizou seu blog para ironizar o trabalho da Justiça. Ele informou que estará trabalhando todos os dias no mesmo endereço até as 17 horas e que as alegações do juiz são falsas. O ex-governador enfatiza que não está se esquivando de receber a intimação. O político tem um programa na rádio "Tupi", o qual apresenta diariamente.

Novo pedido de prisão

Em novembro do ano passado, o ex-governador do Rio foi preso por agentes da Polícia Federal [VIDEO] em uma fase da Operação Chequinho.

Publicidade

Ele foi acusado de comprar votos e fazer uso do programa "Cheque Cidadão". No mês de junho deste ano, o Ministério Público do Rio de Janeiro fez um novo pedido de prisão, alegando que o político deveria ser preso por "constrangimento de testemunhas".

No pedido, que foi encaminhado pra o Tribunal Regional Eleitoral, o promotor de Justiça Leandro Manhãs Barreto alega que o político estaria usando demasiadamente redes sociais para "falar mal" de testemunhas que ainda serão ouvidas pela Justiça. A análise do promotor é que Garotinho estaria tentando, ao máximo, "estimular" seus aliados a ficar contra as testemunhas no processo em que se tornou réu.

A ex-funcionária da prefeitura do Rio Elizabeth Gonçalvez é uma das testemunhas que se sentiu ameaçada e constrangida. Ela afirma que constantemente recebeu ameaças de morte pela liberdade de expressão do político. #riodejaneiro #Ameaça #Governo