O #prefeito da cidade de #São Paulo, João Doria, alegou que a gestão do antigo prefeito, o petista Fernando Haddad, fez com que o Teatro Municipal de São Paulo chegasse com uma dívida arrebatadora de R$ 18 milhões. Em busca de melhorar a situação e fechar as contas com resultado [VIDEO] positivo até o final deste ano, o prefeito bolou uma estratégia com artistas do núcleo de dança, teatro e música que trabalham no local. O objetivo de Doria é evitar demissões e garantir o emprego para todos.

O secretario da Cultura, André Sturm, afirmou que nos meses de outubro e novembro deste ano, os artistas terão 25% de seus salários reduzidos, a economia para a prefeitura ajudará a conter o rombo e afeta cerca de 280 profissionais que integram o Coral Lírico de São Paulo, Balé da Cidade, Coral Paulistano e Orquestra Sinfônica.

Publicidade
Publicidade

André Sturm falou que a melhor solução encontrada foi reduzir durante esses dois meses o salário dos profissionais para evitar as demissões. O secretario avaliou que a programação internacional foi descartada no momento para evitar mais despesas e que o próximo passo seria a demissão de vários membros. Os artistas concordaram em sacrificar 25% de seus salários para evitar maiores danos e Sturm garante que eles concordaram com a solução.

No acordo com os artistas, a gestão de João Doria chegou a pedir 30% no corte dos salários, mas conforme o andamentos da negociação, fecharam em 25%. No final do ano passado, foi cogitado demitir 30% dos profissionais das artes.

Sturm disse que há uma esperança de devolver o valor no ano que vem e que a situação no Brasil está muito crítica, afetando todas as áreas.

Publicidade

Com os cortes, haverá uma economia de R$ 3 milhões.

Gestão do petista Haddad

O petista Fernando Haddad respondeu as críticas de Doria, afirmando que é muito fácil depois de sete meses na gestão [VIDEO] de São Paulo criticar o prefeito anterior. Haddad afirma que não deixou rombo nenhum nas contas. O ex-prefeito diz que é "clássico recorrente" essas afirmações de uma pessoa que dizia ser um gestor e agora virou político, segundo Haddad, o político do "lado errado da história". O ex-prefeito de São Paulo disse que na época, ele foi vítima de duas pessoas criminosas e corruptas no Tearo Municipal.

Um dos integrantes do Coral Lírico, Cláudio Guimarães, 54 anos, avaliou que o acordo entre artistas e prefeitura foi feito com um "bom relacionamento" e que agora eles esperam ressarcimento no próximo ano. Entre demissões e diminuição no salário durante dois meses, os artistas optaram por sacrificar parte do salário, mas garantir o emprego de todos. #João Dória