Publicidade
Publicidade

Durante entrevista realizada pela “Folha de S. Paulo”, o procurador-geral da República, #Rodrigo Janot, fez revelações a respeito da denúncia contra o presidente Michel Temer. Segundo Janot, delações podem contribuir nas investigações contra Temer, que está sendo acusado de obstrução de justiça e corrupção passiva.

De acordo com a “Folha de S. Paulo”, a Procuradoria Geral da República está tentando negociar delações do ex-deputado Eduardo Cunha e de Lúcio Funaro, que é operador financeiro. Eles foram presos durante a Operação Lava Jato.

A entrevista realizada com Janot aconteceu no último sábado (5), em sua casa, em Brasília.

Publicidade

Ele falou que pretende fazer uma nova denúncia contra o presidente e que solicitará a anulação de uma delação. Afirmou ainda que a solução para o país está muito longe de se considerar um bandido como governante.

Janot, que pretende se aposentar na metade do ano de 2018, ao ser questionado se ainda “restavam flechas”, respondeu que as investigações vão ganhando consistência e amadurecendo até que realmente cheguem ao fim. E garantiu que ainda existem “flechas”. Interrogado sobre quais são essas flechas, ele afirmou que a surpresa ficaria para ele.

Janot assegurou que não é soberba usar a expressão “flecha”, pois, segundo ele, é um tipo de brincadeira utilizada desde 2003, na época de Claúdio Fonteles.

Janot afirma que denúncia contra Temer permanece “íntegra”

Ao ser interrogado sobre o que achava da Câmara ter barrado a denúncia contra o presidente, Janot disse que a denúncia não foi barrada pela Câmara, pois ela fez apenas um julgamento político, e assegurou que ele fez o seu papel, e a Câmara fez o seu.

Publicidade

Segundo ele, a Câmara analisou que no atual momento que o país vive, não era adequado aceitar a denúncia contra Temer, e afirmou que ela deve assumir as consequências de tal decisão. Não obstante, Janot garantiu que, apesar disso, a denúncia ainda continua firme e íntegra, aguardando apenas o final do mandato do presidente, na qual ele poderá ser processado pelos fatos que foram acusados, que, segundo Janot, são graves.

Foi questionado durante entrevista a Janot se a próxima denúncia contra o presidente seria por obstrução de justiça. Ele respondeu que não sabia, pois além da obstrução de justiça, há ainda outra investigação contra ele, que é a organização criminosa.

O procurador-geral da República falou ainda que até acabar seu mandato, ele irá continuar exercendo seu ofício e desempenhando seu papel. Em relação ao ex-deputado Rocha Loures, Janot disse que ele vai responder pelos fatos. #Michel Temer