Publicidade
Publicidade

Um dos mais destacados militares da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, que comandou a instituição militar durante o período de 2007 a 2015, se manifestou enfaticamente em relação a um processo de investigação que envolve o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva. O brigadeiro e ex-comandante da Força Aérea Brasileira se pronunciou a respeito do inquérito que trata da compra de caças de guerra, provenientes da Suécia, durante a administração do ex-mandatário do país. Os desdobramentos das investigações acabaram colocando as Forças Armadas em uma "saia-justa", principalmente, em se tratando do processo "nebuloso" que atinge em cheio a Força Aérea Brasileira.

Publicidade

Manifestação sobre possível participação de Lula

Em um depoimento prestado juntamente à Justiça Federal, o ex-comandante da Força Aérea Brasileira, Juniti Saito, afirmou categoricamente que o ex-presidente Lula não teria tentado exercer qualquer tipo de influência, em relação à compra dos aviões de guerra provenientes do país nórdico europeu. O processo de compra dos aviões se tratava de negócios que até hoje nunca foram totalmente esclarecidos, devido a questionamentos ainda pendentes dos motivos que levaram o governo do então presidente Lula, a escolher os caças suecos Gripen para a Força Aérea do Brasil.

De acordo com o depoimento prestado pelo brigadeiro Saito, Lula respeitava a Força Aérea Brasileira, em relação à compra dos aviões militares. O ex-comandante da Aeronáutica ressaltou também que o ex-presidente teria preferência, na realidade, para que se efetivasse a compra de caças de guerra, provenientes da França, em detrimentos dos aviões suecos.

Publicidade

Porém, após seu governo, a decisão a ser tomada ficou em mãos da ex-presidente Dilma Rousseff, que acabou fazendo um anúncio durante um evento no período de dezembro de 2013, ao revelar a escolha de compra pelo modelo Gripen, da Suécia.

Nesse processo de investigação, o ex-presidente Lula é réu, sob a acusação de cometimento de crimes relacionados a tráfico de influência, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Tornaram-se réus ainda, o filho do ex-presidente, Luís Cláudio e dois empresários, Cristina Mautoni e Mauro Marcondes. O processo de investigação teve origem no âmbito da Operação Zelotes, da #Polícia Federal. A defesa do ex-presidente Lula, através de seu advogado, Cristiano Zanin Martins, afirmou que a denúncia oferecida contra Lula, faria parte de uma tática de se tentar implementar a desconstrução da imagem de Lula, além, de tentar prejudicar a sua atuação política.

#FAB