O ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva e o deputado federal Jair Messias Bolsonaro são os principais pré-candidatos à presidência da República, tanto que na maioria das pesquisas os dois dominam em todos os cenários eleitorais, sendo que na maioria o petista Lula costuma ficar em primeiro e Bolsonaro em segundo, mas algumas vezes o parlamentar Bolsonaro surpreende e ultrapassa Lula em alguns estados.

Especialistas políticos afirmam que a Presidência da República está entre estes dois pré-candidatos, mas o ex-presidente pode ser condenado em segunda instância no ano que vem e abrir espaço para Bolsonaro. Porém, o que ninguém espera é que surja um candidato com potencial para desbancar estes dois, pois se caso Lula não for preso no ano que vem, certamente irá para o segundo turno.

Publicidade
Publicidade

Novo candidato

O que já está quase certo é que o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), é um dos nomes cotados à Presidência da República, mesmo com o empresário tendo afirmado que não iria disputar prévias dentro do PSDB contra o seu padrinho político, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pois considera que isso seria uma grande traição. Ele afirmou que se Alckmin não desejar disputar a corrida presidencial, ele estará à disposição do partido [VIDEO]. Porém, mesmo se o governador decidir disputar, João Doria pode ser candidato, mas por outro partido.

Em uma reunião, na prefeitura de São Paulo, no dia 7 de agosto, o presidente do PMDB, Romero Jucá, e o presidente da República, Michel Temer, que também é peemedebista, fizeram um convite para o empresário se filiar ao partido se quiser disputar as eleições de 2018, as quais o prefeito já demonstrou muito interesse.

Publicidade

Junto com o PMDB também veio o convite do DEM, do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, o qual afirmou que o partido também está de portas abertas.

Enfrentar Alckmin em 2018?

João Doria afirmou que não enfrentaria prévias dentro do seu partido contra Geraldo Alckmin, mas nunca afirmou que não disputaria a Presidência da República por outra legenda. Por isso, que o prefeito de São Paulo não deve considerar uma traição entrar na corrida presidencial. Mas, para isso, teria que deixar a administração paulistana para disputar as eleições de 2018, se não pelo PSDB, pelo PMDB [VIDEO].

Nada foi afirmado oficialmente ainda, mas a possibilidade é grande, pois muitos afirmam que João Doria tem um perfil diferente do PSDB e sair do partido seria uma boa estratégia política para o empresário ganhar mais eleitorado. #João Dória #pesquisa presidencial