Publicidade
Publicidade

Com a proximidade da próxima disputa eleitoral com vistas à eleição para a Presidência da República, o Partido dos Trabalhadores (PT) começa a se deparar com um cenário político cada vez mais provável, em se tratando da possível inviabilidade da escolha do nome do ex-presidente da República [VIDEO] Luiz Inácio #Lula da Silva.

O ex-mandatário é a principal aposta do PT para o próximo pleito eleitoral. Entretanto, de acordo com os desdobramentos dos processos relativos a crimes de corrupção que envolvem diretamente Lula, especialmente no âmbito da Operação #Lava Jato, a sigla pode passar a ter que contar com outro representante para a disputa eleitoral de 2018.

Publicidade

Lula já foi condenado em primeira instância por crimes relativos à corrupção, em processo que envolve a aquisição do apartamento de luxo tríplex, localizado na cidade de Guarujá, no litoral do estado de São Paulo.

Lula foi condenado a nove anos e seis meses de prisão por decisão do juiz Sérgio Moro, que é o titular responsável pela condução dos trabalhos da força-tarefa da Operação Lava Jato, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná. O processo relativo ao imóvel, segue para análise em segunda instância pelo TRF4 (Tribunal Regional Federal da 4. ª Região) e se confirmada a condenação dada por Moro, o ex-presidente não poderá se candidatar ao próximo pleito presidencial.

Suposto 'plano B' do PT

Embora seja algo que contrarie o discurso oficial petista, em relação a um suposto 'plano B' para a próxima eleição, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad surge como opção do partido, em uma eventual disputa eleitoral sem a presença de Lula.

Publicidade

Haddad já vem enfrentando uma agenda intensa de viagens pelo Brasil. Já percorreu nove estados e dois países, em um período de apenas seis meses. Porém, estas viagens têm causado grande "incômodo" ao próprio PT, principalmente a integrantes da direção nacional da sigla, já que aumentam as especulações de que o ex-prefeito paulistano possa se tornar uma alternativa em relação à Lula, para a disputa eleitoral.

Nos bastidores, alguns membros que integram a cúpula petista, avaliam que as movimentações de Fernando Haddad seriam capitaneadas pela "República de São Paulo", conforme referências, em se tratando de lideranças do PT no estado de São Paulo. Já a assessoria do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad acredita que o "ciúme" causado em correligionários do partido se trata de "um sentimento considerado primitivo, de quem, muito pouco, ou nada teria a acrescentar ao atual momento do cenário político, já que, segundo ele, quem não pode, tem ciúme".

#Eleições 2018