A defesa do presidente Michel Temer fez um pedido de suspeição no Supremo Tribunal Federal (#STF) contra o procurador-geral da República Rodrigo Janot [VIDEO]. O documento foi protocolado nesta terça-feira (08), pelo advogado de Temer Antonio Mariz de Oliveira.

Para a defesa de Temer, Janot extrapolou os seus limites inconstitucionais e legais inerentes ao cargo que ocupa. Para o advogado, Janot tem raiva de Temer e o acusa por questões pessoais, e não por ter convicções de crimes cometidos pelo presidente.

O procurador-geral da República preferiu não criar confusão diante disso e revelou que não vê problemas em pedir a suspeição dele no inquérito de Temer.

Publicidade
Publicidade

Porém, os investigadores ficaram incomodados com isso e decidiram reagir. Eles não concordam com a forma como o ministro do STF [VIDEO] Gilmar Mendes fala sobre Janot, dizendo que ele é um desqualificado. Tentar impedir que os ministros da Corte tenham contato com os investigados seria uma solução na visão dos procuradores.

Revoltado, um dos auxiliares de Janot disse que o STF precisa ter padrão de conduta e não fazer declarações fora dos autos. De acordo com os procuradores, o pedido de suspeição seria uma forma de Temer se livrar de outra denúncia contra ele, tentando segurar ao máximo até o dia 17 de setembro, quando Janot sairia da Procuradoria-Geral da República.

Relação suspeita

Os procuradores também estão atentos com esses encontros entre Gilmar Mendes e Michel Temer. Após a última reunião entre os dois, aconteceram coisas sem explicações.

Publicidade

Por exemplo, um dia depois de se reunir com Temer, Gilmar atacou #Rodrigo Janot dizendo que ele era o pior procurador-geral da República. Logo após o ataque de Mendes, o advogado de Temer entrou com o pedido de suspeição. Há uma suspeita de que as conversas entre eles são para tentar "abafar" qualquer indício de corrupção cometido pelo peemedebista.

Caso passado

Rodrigo Janot já foi vítima de um fato parecido bem no começo da Operação Lava Jato. Na época, o então presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha e um grupo de deputados da CPI da Petrobras tentaram inverter a posição dos fatos e colocar Janot, o chefe da #investigação, em investigado.

Essa manobra acabou não sendo levada adiante. Janot chegou a quase ter o seu sigilo telefônico quebrado por desejo dos deputados. Após um tempo, Cunha acabou perdendo o seu mandato na Câmara e foi preso por determinação do juiz federal Sérgio Moro. Ou seja, não deu certo a tentativa deles, de barrarem as ações do procurador.

O caso com Temer é bem parecido. Resta saber qual será o resultado desse conflito entre Gilmar Mendes e Janot.