Publicidade
Publicidade
2

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelas investigações da Operação Lava Jato, decidiu que o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva está no banco de réus por causa da reforma do sítio Santa Bárbara, localizado em Atibaia, interior de São Paulo.

Segundo Sérgio Moro, caso o ex-presidente Lula tenha pago a reforma do sítio com seu próprio dinheiro, a defesa do ex-presidente conseguirá com facilidade provar perante a Justiça [VIDEO] o feito, através de documentos que poderão ser apresentados durante a ação penal. Moro citou que transações em espécie e bancárias podem ser comprovadas com a apresentação de documentos.

O juiz federal afirmou que o que intriga investigadores é que o ex-presidente não tem nenhuma prova que mostre registros de que pagou pela reforma do sítio, dessa forma, o réu é prejudicado na sentença.

Publicidade

Sérgio Moro enfatiza que Lula estaria se comportando como o dono do sítio, mas terceiros teriam bancado a reforma milionária do imóvel, através de contratos fraudulentos com o Grupo Odebrecht, a OAS e acertos entre o pecuarista José Carlos Bumlai e a Petrobras.

Lula teria recebido propinas de empreiteiras e o valor teria sido destinado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Um outro ponto que chama a atenção é que as reformas realizadas no sítio ocorrem de forma significativa entre 2010 e 2014, durante o mandato do PT.

O Ministério Público Federal (#MPF) enfatizou que os valores utilizados para a reforma do sítio foram de R$ 700 mil através da Odebrecht, R$ 170 mil pagos pela OAS e outros R$ 150.500,00 através de José Carlos Bumlai, Fernando Bittar e Rogério Aurélio Pimentel. Bittar é considerado o dono do sítio em contrato formal.

Publicidade

Lula na mira da Justiça

O ex-presidente Lula é réu em seis ações penais na Justiça, esta ação é a terceira que cai nas mãos do juiz Sérgio Moro e complica a situação de Lula. O ex-presidente é acusado de crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. Durante o julgamento do caso triplex, Lula foi condenado por Moro a nove anos e seis meses de cadeia.

Na ação sobre o sítio, a denúncia aponta que Lula participou de uma organização criminosa de forma consciente. Ao todo, são 13 pessoas acusadas, incluindo até o compadre de Lula, Roberto Teixeira. A denúncia acusa o ex-presidente e investigados de terem ocultado a origem do imóvel e crimes de cartel envolvendo grandes empreiteiras como a Odebrecht e a OAS, que teriam contribuído para uma reforma do sítio de Atibaia. #SérgioMoro