Publicidade
Publicidade

O procurador-geral da República Rodrigo Janot [VIDEO] e sua sucessora Raquel Dodge não possuem os mesmo conceitos e vivem se confrontando. Raquel foi a preferida do presidente #Michel Temer para suceder Janot e o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes apoiou a escolha dela. Mendes também não compactua com Janot.

Diante disso, a subprocuradora pode ter sido envolvida em um plano de Michel Temer e provavelmente do ministro Gilmar Mendes [VIDEO]. Raquel ligou para o presidente e o teor da conversa seria um convite para o presidente participar de sua posse. Mas ela não percebeu, ainda, que no mundo da política um sinal pode ser mais perigoso do que um ato.

Publicidade

Dodge foi ao Palácio do Jaburu às 22 horas sem registrar isso em sua agenda, ou seja, um deslize cometido. Poderia ter sido um encontro normal, de última hora, mas voltando às investigações, Temer foi acusado pelo Ministério Público Federal (#MPF) de ter se encontrado com o empresário Joesley Batista também nesse mesmo horário e sem ser declarado na agenda. O assunto entre eles acabou complicando a vida de Temer, que foi acusado de corrupção passiva.

Reunião fora de hora

Há uma grande chance da defesa de Temer se utilizar desse encontro fora de hora com Raquel para dizer que isso é normal e que não caberia levantar suspeitas sobre a reunião de Temer com o dono da JBS. A subprocuradora pode ter caído numa armadilha e realizado aquilo que o peemedebista desejava.

A defesa de Temer pode alegar o que quiser e a sucessora de Janot não poderá proibi-lo de nada.

Publicidade

Quando ela estiver no comando da Procuradoria-Geral da República, ela terá mais autonomia para explicar que um convite de posse é diferente de crimes realizados no passado, resta saber como ela provará que sua conversa com Temer era sobre isso.

Dados econômicos

O #Governo de Michel Temer vai se segurando o quanto pode, mesmo o presidente sendo alvo de várias denúncias. Uma das coisas que mais está ajudando Temer é a economia brasileira, que ganha forças.

Apesar de toda essa turbulência da crise política, os dados econômicos surpreendem e mostram indicadores avançando, o que demonstra estabilidade para o país.

O emprego formal teve um saldo positivo no último mês. A inflação encerrou os últimos 12 meses com o nível mais baixo desde 1999. A balança comercial bate recorde. Mas mesmo em decorrência disso tudo, Temer não tem alívio e o seu governo vive criando situações constrangedoras, como por exemplo, um possível aumento da alíquota do Imposto de Renda, que logo depois, foi enterrada a proposta, após várias criticas.