Publicidade
Publicidade

Um dos líderes mais polêmicos na história do MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), João Pedro Stédile, se manifestou contra o juiz federal Sérgio Moro, num discurso realizado na noite da última terça-feira (05), em São Luís, no estado do Maranhão. Stédile se encontrava ao lado do ex-presidente da República [VIDEO], Luiz Inácio #Lula da Silva. O chefe do MST discorreu palavras que demonstravam ódio e irritação contra o juiz federal paranaense, ao proferir vários xingamentos contra o magistrado, que é o responsável pela condução da maior operação de combate à corrupção na história contemporânea do país; a Operação Lava Jato.

Vale ressaltar que a #Lava Jato é conduzida por Moro, em primeiro grau, a partir da décima terceira Vara Criminal da Justiça Federal de Curitiba, no estado do Paraná.

Publicidade

Sérgio Moro já condenou o ex-presidente Lula, no âmbito da força-tarefa de investigação, a nove anos e seis meses de prisão, em processo relativo à aquisição do apartamento tríplex localizado na praia de Astúrias, na cidade de Guarujá, no litoral do estado de São Paulo.

O ex-mandatário do país foi condenado pela prática de crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Este processo tramita agora no TRF4 (Tribunal Regional da Quarta Região), que está sediado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Se confirmada a condenação na segunda instância, que é a chamada "Corte de Apelação", poderá resultar na inviabilidade da candidatura de Lula à Presidência da República, com base na Lei da Ficha Limpa, e até mesmo, numa determinação de prisão.

Palavras 'chulas' contra o juiz Sérgio Moro

Com a iminência de um desfecho, em relação ao caso que envolve o processo de condenação do ex-presidente Lula, o líder do MST, João Pedro Stédile, se referiu ao magistrado como um "merdinha", ou "bundão", durante seu discurso no evento ao lado de petistas e do próprio ex-presidente Lula.

Publicidade

O momento em que o chefe do MST começou a proferir palavras chulas contra Sérgio Moro, ocorreu ao fazer comentários em relação à proximidade da data em que Lula deverá prestar novo depoimento ao magistrado, na sede da Polícia Federal, em Curitiba, na próxima quarta-feira (13), em processo que o ex-mandatário é investigado no âmbito de uma ação penal da Operação Lava Jato, em se tratando de recebimento de propinas provenientes da empreiteira Odebrecht.

João Pedro Stédile ameaçou levar movimentos esquerdistas para a cidade de Curitiba, no dia do novo depoimento a ser dado por Lula a Moro. Já a décima terceira Vara Criminal de Curitiba, no Paraná, preferiu não se manifestar sobre o discurso do líder do MST. Já Stédile não foi localizado para comentar sobre as suas declarações. #SérgioMoro