Publicidade
Publicidade

O ex-ministro da Fazenda do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva [VIDEO] Antônio #Palocci resolveu entregar seu companheiro de partido através de acordo de delação premiada. Palocci foi preso pela Polícia Federal e, nesta última quarta-feira (6), foi interrogado pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelo julgamento em primeira instância da Operação Lava Jato.

Em depoimento, o ex-ministro avaliou que o ex-presidente #Lula e Emílio Odebrecht, dono da construtora Odebrecht, fizeram um tipo de "pacto de sangue". A Odebrecht teria sinalizado um pagamento de cerca de R$ 300 milhões em propina para o Partido dos Trabalhadores (PT), que ocorreu nos últimas anos do governo Lula e início do governo da ex-presidente Dilma Rousseff.

Publicidade

Ao contrário de Palocci, que resolveu contar elementos que incriminam Lula diante da Justiça, o ex-ministro petista José Dirceu tem um postura totalmente contrária que a de Palocci. Segundo Dirceu, a posição de Palocci está mostrando que o ex-ministro da Fazenda "briga por interesses" e "não tem valor".

José Dirceu deixou bem claro que aconteça o que acontecer, ele prefere "morrer" a "perde a dignidade" como está fazendo Palocci. Dirceu disse que "luta por uma causa" e por conta disso, não iria assumir o mesmo compromisso que Palocci na Justiça. [VIDEO]Além de Dirceu, o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto também faria de tudo para "lutar por uma causa". Pelo jeito, Palocci não tem nenhum tipo de compromisso com a mesma causa de Dirceu e Vaccari.

O ex-presidente da República Lula é réu em cinco processos na Justiça.

Publicidade

No primeiro processo, o juiz Sérgio Moro deu a sentença de nove anos e seis meses de prisão, que agora será analisada em segunda instância. Lula é acusado de crimes de corrupção, lavagem de dinheiro, obstrução de Justiça e formação de quadrilha. O Ministério Público Federal (MPF) chegou a dizer que Lula é o "chefe de uma organização criminosa". O ex-presidente ainda deseja ser candidato à Presidência da República nas eleições de 2018, mas tudo indica que ele poderá ficar inelegível.

Antônio Palocci também fez declarações sobre um dos casos em que Lula é réu. Palocci admitiu que o ex-presidente recebeu da Odebrecht um terreno avaliado em R$ 12,4 milhões. Mais tarde, o terreno se tornou sede do Instituto Lula. O terreno fica ao lado de outro imóvel de Lula, um apartamento localizado da cidade de São Bernardo do Campo, no ABC paulista. O apartamento seria fruto de uma propina avaliada em R$ 540 mil. #Impeachment