O ator global #Ary Fontoura concedeu uma entrevista ao jornal Folha de São Paulo, nesta quarta-feira (06), e revelou que mesmo tendo ainda uma certa admiração ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva [VIDEO] ficou muito revoltado e decepcionado com tudo o que a Operação Lava Jato [VIDEO] mostrou de corrupção no governo petista.

Fontoura é o intérprete do ex-presidente no filme "Polícia Federal - A lei é para todos", que fala sobre as investigações da #Lava Jato, os trabalhos realizados pelo juiz Sérgio Moro e tem ênfase na grande corrupção que assola o país.

O ator participa de uma cena em que a Polícia Federal chega na casa do ex-presidente e o leva para depor coercitivamente no aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

Publicidade
Publicidade

Apenas para ressaltar, essa cena aconteceu na realidade com o petista.

O global disse que votou em Lula nas duas vezes em que ele se elegeu. Porém, o ator afirma que depois as coisas começaram a mudar, a decair. Ele ressaltou que não foi fácil interpretar um personagem que ainda está vivo e tem muita popularidade no país.

Inferno astral

De acordo com Fontoura, Lula está vivendo um dos piores momentos de sua vida, um verdadeiro inferno astral. Ele admitiu que todos possuem momentos complicados. "Todos nós temos o nosso céu, o nosso inferno", ressaltou. Dessa vez Lula está mergulhado em seu inferno astral.

O veterano da Globo disse que tem bom senso, olhos e ouvidos e que, por essa razão, é inadmissível aceitar determinadas coisas. Ele está se referindo a toda corrupção que tomou conta de Lula e que foi descoberta com os trabalhos do juiz Sérgio Moro, dos procuradores da República e da Polícia Federal.

Publicidade

Lula acabou se tornando uma decepção para ele, mesmo o ator ainda tendo alguma admiração pelo petista.

Fontoura foi questionado que o filme tem sido criticado por trazer apenas as perspectivas da Polícia Federal e fatos voltados às investigações que complicavam o ex-presidente. Ele respondeu que aquilo era uma ficção e que estava apenas contando sobre uma história que ainda não terminou.

Agressões

O ator afirmou que não tem medo de ser agredido por pessoas que não concordem com o filme. Ele acha que as críticas são bem-vindas e gosta de ouvir o que as pessoas pensam sobre os seus trabalhos. Fontoura disse que torce para que o filme ajude as pessoas a conversarem mais sobre o assunto da corrupção.

Com a Lava Jato, o Brasil acabou se tornando um país mais sério e preocupado com as ações do governo. Mesmo sendo criticada por algumas pessoas, a operação tem sido apartidária ao envolver não só o PT mas outros partidos, como o PMDB de Michel Temer e Sérgio Cabral. #Famosos