Publicidade
Publicidade

O caos em torno da delação premiada [VIDEO] de #Joesley Batista ainda repercute em toda a imprensa nacional. Ele fez graves críticas ao presidente da república, #Michel Temer, do PMDB. Meses depois da bomba dita pelo dono da Friboi, revelando que Temer teria dado o aval para comprar o silêncio do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, ele volta à tona e faz novas revelações. Em uma nota divulgada nesse fim de semana, Joesley Batista chama Michel de "ladrão geral da República' e solicita que respeitem ele e o seu direito de ter delação premiada.

Joesley Batista faz novas acusações contra Michel Temer e diz que está envolvido em propina

De acordo com o empresário, Michel Temer teria se beneficiado de um grande esquema de propina, que teria, inclusive, contado com a participação de Lúcio Funaro, que teria operado as ações de corrupção.

Publicidade

O marido da apresentadora Ticiana Villas Boas, que foi recentemente demitida do SBT, diz que tem direito a ter a chamada colaboração por delação premiada.

Joesley Batista pede respeito a Temer e fala que delação é um direito seu

Segundo o dono do Friboi, o fato de Temer o atacar apenas mostra que ele não tem a capacidade de se defender dos graves crimes que teria cometido. Ele ainda fez questão de chamar o peemedebista de "ladrão geral da República". Para o empresário, que é dono de uma das maiores companhias de proteína do planeta, Michel envergonha todos os brasileiros com sua postura.

Michel Temer chamou Joesley Batista de grampeador-geral da República

A nota de Batista apareceu pouco tempo depois do próprio Michel Temer, através da Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto, atacar o empresário.

Publicidade

No comunicado, Michel diz que era crítico o fato da JBS apresentar novos documentos no acordo de delação premiada. Ele ainda chama o empresário de uma espécie de "grampeador-geral da República".

Michel Temer critica Procuradoria-geral da República por suposto perdão a Joesley Batista

"No seu gravador, vários outros grampos foram escondidos e apagados. Joesley mentiu, omitiu e continua tendo o perdão eterno do procurador-geral", diz um trecho da nota, vista como surpreendente, forte e fora dos padrões. Temer ainda questiona se igual perdão será dado a Lúcio Funaro, a quem o peemedebista chama de ainda mais perigoso.

É bom lembrar que, recentemente, a câmara dos deputados não aceitaram que Temer fosse investigado durante o governo, através de mandos do Supremo Tribunal Federal (STF).