Os desdobramentos do caso que envolve os executivos da empresa JBS, considerada uma das maiores empresas na venda de carnes processadas em todo o mundo, vem aumentando a temperatura política e a cada dia traz novas revelações, principalmente, a partir da divulgação dos áudios captados de conversas entre o empresário #Joesley Batista e o executivo Ricardo Saud.

No Supremo Tribunal Federal (STF), um dos magistrados acabou de manifestando, de modo contundente, em relação à própria situação da mais alta Corte brasileira, que foi atingida em "cheio", a partir do caso JBS. O ministro Luiz Fux se pronunciou em uma "dura" manifestação no Plenário da Corte, nesta quarta-feira (06).

Publicidade
Publicidade

'Atentado contra a dignidade da Justiça'

De acordo com o pronunciamento do ministro Luiz Fux na Suprema Corte brasileira, deve-se primar pela prisão dos delatores Joesley Batista [VIDEO] e Ricardo Saud e também implementar um processo de anulação de todos os benefícios concedidos aos delatores. Luiz Fux foi ainda mais longe ao delimitar que teria ocorrido uma tentativa de "atentado contra a dignidade da Justiça".

A mensagem transmitida pelo ministro Luiz Fux, acabou sendo dirigida, de forma direta ao procurador-geral da República, #Rodrigo Janot, que, como chefe do Ministério Público Federal, teria condições de solicitar a prisão dos delatores Ricardo Saud e Joesley Batista. Segundo o ministro Fux, ele pôde verificar que o episódio de ontem, que havia sido difundido de maneira transparente, por meio do excelentíssimo senhor procurador=geral da República, que havia revelado que os partícipes do delito que haviam figurado como colaboradores, acabou culminando na tentativa de se ludibriar o Ministério Público Federal, o que resultou na degradação da imagem do país no plano internacional, pois, atentaram contra a dignidade da Justiça, o que acarretou na revelação dos criminosos de colarinho branco.

Publicidade

Entretanto, vale ressaltar que antes da realização da sessão do Supremo Tribunal Federal (#STF) desta quarta-feira, o ministro Luiz Fux, havia feito uma sugestão considerada incisiva favoravelmente à prisão dos dois delatores, ao afirmar que benefícios deveriam ser cassados". Porém , Luiz Fux ressaltou que um dos pontos que mais o teria incomodado, trata-se da menção dos delatores dirigida aos ministros do Supremo, ao afirmar que "os delatores degradaram a imagem da Corte, através de uma 'bravata' e sem que tivessem qualquer prejuízo, acarretaram enorme prejuízo ao Brasil.

Já a assessoria da empresa dos irmãos Batista, J&F, afirmou em nota que os colaboradores teriam apresentado, dentro dos prazos legais estabelecidos, através ainda de documentos e informações que contemplariam esclarecimentos prestados previamente junto à Procuradoria-Geral da República e que continuariam a disposição para cooperar com a Justiça.