O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, resolveu se pronunciar de modo contundente em relação à denúncia apresentada contra a cúpula do PMDB, em processo que se encontra no âmbito da Operação Lava Jato, juntamente ao Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO]. Foram denunciados os senadores da República que são figuras já carimbadas do partido, como Edison Lobão (PMDB-MA), Romero Jucá (PMDB-RR), Renan Calheiros (PMDB-AL), Jader Barbalho (PMDB-PA) e Valdir Raupp (RO). Além desses políticos, foram denunciados dois ex-senadores, Sérgio Machado (PMDB-CE) e o ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP).

Os crimes relacionados ao processo e apresentados pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, se manifestou sobre os possíveis crimes que tenham sido praticados pela cúpula do PMDB, chamada como "Quadrilhão do PMDB" no Senado Federal.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a denúncia do procurador, os crimes se referem à práticas ilícitas cometidas em relação à administração pública, principalmente, em se tratando de estatais como Petrobras e Transpetro.

Os prejuízos estimados ultrapassam cifras na importância de aproximadamente R$ 5,6 bilhões em rombos nos cofres públicos das estatais, sendo que cerca de R$5,5 bilhões eram provenientes da Petrobras e R$ 113 milhões na Transpetro. Vale ressaltar que os senadores e ex-senadores envolvidos na denúncia, teriam sido responsáveis por terem angariado cerca de R$ 864 milhões, em dinheiro público, fruto de propinas.

'Organização criminosa'

De acordo com a denúncia apresentada e encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (#STF) nesta sexta-feira (08), o procurador-geral Rodrigo Janot afirmou enfaticamente que a cúpula de senadores do PMDB teria se instalado nas diretorias de Abastecimento e Internacional, que fazem parte da Petrobras, justamente durante no final do ano de 2002, período em que o ex-presidente Luiz Inácio #Lula da Silva chegou à Presidência da República, pela primeira vez.

Publicidade

Rodrigo Janot revelou ainda que a organização criminosa, alvo desse processo no âmbito da Operação #Lava Jato, teria se concretizado, a partir da primeira eleição ganha pelo ex-presidente Lula. Entretanto, Janot apontou que a responsabilidade inerente aos peemedebistas teria se efetivado "até os dias de hoje" em relação à indicação de cargos na estatal, já que parte desses cargos teriam sido loteados por ex-diretores da Petrobras, que são atualmente delatores na Lava Jato, em referência a todo o esquema implementado, como Paulo Roberto Costa e Nestor Cerveró.

O chefe do Ministério Público Federal ressaltou também que a organização criminosa foi constituída em 2002, com o propósito para que ocorresse a eleição do ex-presidente Lula à Presidência da República, quando alguns dos integrantes do PT se uniram a grupos econômicos, com a intenção de realizar o financiamento de campanha de Lula, em troca de um compromisso do petista, em poder atender aos interesses privados daqueles grupos e conglomerados.

Publicidade

Já a defesa de Lula afirmou que o petista jamais teria participado de organização criminosa ou da prática de qualquer ato considerado ilícito.