Publicidade
Publicidade

A ex-presidente da República #Dilma Rousseff está atrelada como testemunha de defesa de Aldemir Bendine, ex-presidente do Banco do Brasil e da Petrobras. Bendine é investigado pelas Operação da Lava Jato e acusado de receber propinas da empreiteira Odebrecht, que chegam a R$ 3 milhões.

Além de Bendine, esse processo também investiga a ex-presidente da Petrobras Graça Foster; o dono da Odebrecht, Emílio Odebrecht e o ex-senador e ex-vice-presidente do Agronegócio do Banco do Brasil, Osmar Dias, do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

As investigações da Polícia Federal [VIDEO]apontaram que Aldemir Bendine declarava Imposto de Renda até mesmo de suas propinas recebidas.

Publicidade

A ideia do ex-presidente do banco foi tentar prejudicar as investigações, tornando-as mais complicadas para a polícia. No dia 27 de julho deste ano, ele foi preso.

Um pouco antes de assumir a presidência do Banco do Brasil, em 2015, Aldemir Bendine pediu para a Odebrecht a propina para que contratos não fossem prejudicados e também para "melhorar" os rumos de investigação da Lava Jato, diminuindo seus danos. A Odebrecht entregou o dinheiro a Bendine em um apartamento alugado em São Paulo. O aluguel estava no nome de Antônio Carlos. O dinheiro foi dado em espécie e em três pagamentos de R$ 1 milhão cada.

Dilma Rousseff, depoimento

O Ministério Público Federal (MPF) ficou "de olho" em Bendine, quando o acusado comprou uma passagem só de ida para Portugal. Com isso, investigadores decidiram por pedir sua prisão rapidamente.

Publicidade

Ao que tudo indica, Bendine queria fugir do Brasil.

A ex-presidente Dilma falará como testemunha de defesa de Bendine. Ela está em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, e o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos julgamentos da Lava Jato [VIDEO] em primeira instância está em Curitiba, Paraná. No dia 25 de outubro, às 14 horas, o depoimento será feito através de videoconferência.

Marcelo Odebrecht assume erros

Um dos donos da empreiteira Odebrecht, #Marcelo Odebrecht, assumiu que a empresa concedeu R$ 3 milhões de propina para Bendine. Sua declaração é peça chave na investigação.

No entanto, conforme a Lava Jato avançada, Bendine demonstrou "medo" e resolveu conter a prática de atos ilícitos para não manchar sua imagem pessoal devido à exposição. A prisão de Marcelo Odebrecht fez com que Bendine repensasse sobre suas atitudes, porém já seria tarde demais e ele acabou sendo preso. #Sergio Moro