Publicidade
Publicidade

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato, sempre defendeu em seus discursos, nos mais variados eventos que participou, o fim do #foro privilegiado concedido às autoridades. De acordo com o magistrado, o foro fere a ideia da democracia, de que todos deveriam ser tratados de uma forma igual.

Agora foi a vez do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) [VIDEO], Edson Fachin, se manifestar a favor dessa medida. Em um encontro, nesta segunda-feira (9), no evento do 6° Fórum Nacional de Juízes Federais do Brasil (Ajufe), que ocorreu no Tribunal Regional Federal da 4° Região, em Porto Alegre, o ministro afirmou que o fim do foro especial é algo urgente e deve ser colocado em pauta o mais rápido possível.

Publicidade

O foro tem ajudado criminosos a serem julgados apenas pela Corte Suprema, e isso acaba retardando os processos de punições, já que no Supremo tudo anda mais lento do que a Justiça comum.

Fachin fez declarações fortes sobre a medida. Segundo as palavras do ministro que defendeu a mesma tese de entendimento de Sérgio Moro, a Justiça deve ser aplicada a qualquer pessoa, independente de qualquer critério de status.

O ministro desabafou e afirmou que o sistema brasileiro é injusto com o cidadão, pois é desigual, já que alguns gozam de benefícios especiais que outros não tem.

Prisão em segunda instância

No evento, o ministro também defendeu que a Suprema Corte tem que firmar de uma vez por todas que a execução da pena já pode acontecer a partir da condenação em segunda instância. Esse caso já foi votado no ano passado, e a maioria aprovou esse entendimento, porém, alguns ministros resolveram mudar de opinião e a presidente do #STF, Cármen Lúcia, está sendo pressionada a colocar em pauta essa nova votação.

Publicidade

Fachin passou aos juízes do evento uma mensagem de otimismo e disse que todos têm que perseverar na busca por medidas que sejam justas e que possam trazer serenidade e firmeza nos julgamentos.

Impedimento

Embora as pessoas exijam que o foro privilegiado termine, essa medida não tem tido prioridade no Congresso Nacional. Muitos parlamentares que estão envolvidos em crimes de corrupção e são alvos da Operação Lava Jato tentam adiar ao máximo a medida para que não sejam vítimas dela. E além de impedir que esse projeto seja aprovado, eles ainda tentam de todas as formas aprovarem matérias que dão benefícios aos investigados. Uma verdadeira afronta contra a sociedade. #SérgioMoro