João #Doria, prefeito de São Paulo, iniciou nesta quinta-feira, dia 12, uma viagem de três dias na Itália. E mostrou que está com a língua bastante afiada. Logo na chegada, fez duríssimas critícas aos governos petistas no Brasil. Luiz Inácio #Lula da Silva, o Lula, presidente entre 2003 e 2011, e Dilma Rousseff, sua sucessora entre 2011 e 2016, foram os alvos do político tucano.

Em uma palestra para aproximadamente 200 pessoas na Universidade de Bocconi, uma das mais prestigiadas da Itália, Doria explicou os motivos que o fizeram deixar a carreira de empresário para se aventurar na política. Ao mesmo tempo, alfinetou os petistas ao dizer que eles "acabaram com os sonhos dos jovens".

Publicidade
Publicidade

"Quando volto da Europa, vejo o que tem acontecido no Brasil. Foi um desastre os 13 anos de governo do PT. Lula e Dilma destruíram o nosso país e acabaram com os sonhos dos jovens. Por isso decidi sair da zona de conforto e brigar pelo meu país. Estou muito comprometido com isso", destacou.

Apesar da indefinição dentro do PSDB, que tem no governador Geraldo Alckmin um outro nome para 2018, João Doria tem sido especulado como candidato ao pleito presidencial de 2018. Sua fala na palestra dá indícios de que ele está inclinado a concorrer.

"Vocês podem imaginar como é o norte e o nordeste do nosso país? Uma dura realidade. Hoje eu sei que posso olhar nos olhos das crianças e dizer que estou buscando construir um futuro melhor. Uma cidade melhor, com oportunidades. Esse é o meu objetivo", colocou o prefeito.

Publicidade

Doria também fez questão de ressaltar ações da sua gestão na capital paulista, para o qual foi eleito prefeito em primeiro turno nas eleiçoes municipais de 2016. A palestra teve como tema "Desenvolvimento sustentável de megalópoles" e o tucano falou de iniciativas como o "Corujão da Saúde", que visa zerar filas de atendimento médico em São Paulo, os jardins verticais nas avenidas, mutirões dos finais de semana e a redução da poluição das frotas de ônibus.

No entanto, os números mais recentes em termos de pesquisas não foram muito positivos para Doria. De acordo com levantamento do Datafolha, seu indíce de aprovação popular caiu 9 pontos e passou de 41 para 32. As causas apontadas foram as constantes de viagens e a falta de foco na gestão municipal.

Sempre assíduo nas redes sociais desde o princípio do seu mandato em São Paulo, o tucano publicou um vídeo em sua conta particular no Twitter com trechos da palestra feita na Universidade de Bocconi. Confira:

Lula perto da prisão?

Em um outro evento na Itália nesta quinta-feira, quando discursou a empresários e investidores, Doria disse esperar um Brasil menos populista e com inflação controlada em 2018.

Publicidade

Sobre Lula, o tucano disse que "ele está mais perto da prisão do que das eleições", em referência à condição de réu que o petista tem sido em mais de uma ação da Operação Lava-Jato, comandada pelo juiz federal Sérgio Moro.

No entanto, a fala soa meio incoerente por conta de uma outra declaração dada no início de outubro. Na ocasião, Doria, que tem trocado farpas com Lula desde que assumiu a prefeitura, disse que uma eventual prisão do líder petista seria um "erro histórico".

"Embora a Justiça seja sempre soberana, seria o pior cenário prendê-lo durante o processo eleitoral. Seria um erro histórico. Ele se vitimizaria e aí sim incendearia o país", destacou durante almoço com empresários franceses em São Paulo.

Lula, que ainda depende da Justiça para poder se candidatar, já se lançou como candidato em 2018 em mais de uma ocasião. Doria, apesar de manter agenda que indica a candidatura, ainda está inserido no dilema do PSDB sobre quem será o nome do partido.