Publicidade
Publicidade

O ex-ministro do #Governo do presidente da República #Michel Temer, Geddel Vieira Lima, surpreendeu ao se direcionar para a Procuradora Geral da República, Raquel Dodge [VIDEO], colocando o governo de Temer em imensa preocupação. Segundo informações da "Coluna Radar", da Revista "Veja", o ex-ministro, que se encontra preso no Complexo Penitenciário da Papuda, estaria fazendo de tudo para acertar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF).

No entanto, o governo de Michel Temer não estaria nada satisfeito com a proposta do ex-ministro, já que Geddel poderia se tornar uma ameaça a membros do Governo.

Publicidade

Logo após Geddel ser pego pela Polícia Federal [VIDEO] e ser preso, o Governo já mostrou sinais de preocupação com a possibilidade do ex-ministro fechar acordo de delação. Pelo visto, o Governo poderá ter ainda mais "dor de cabeça" daqui em diante, pois Geddel se mostrou objetivo ao procurar a chefe do Ministério Público Federal.

No início de setembro, segundo ordem do juiz da 10° Vara Criminal do Distrito Federal, Vallisney de Souza Oliveira, Geddel foi transferido da prisão domiciliar para o encarceramento privado na Papuda. Após a Polícia Federal descobrir um apartamento contendo malas recheadas de dinheiro, totalizando cerca de R$ 51 milhões em espécie, Geddel se encrencou ainda mais nas investigações.

O Ministério Público Federal concluiu que mesmo estando preso, Geddel continuava a praticar delitos, mantendo contato com várias outras pessoas envolvidas em crimes.

Publicidade

O ex-ministro foi classificado como um "criminoso habitual".

A defesa de Geddel pediu para a Polícia informações sobre quem denunciou a quantia milionária no apartamento do político. Um pedido chegou a ser enviado para o Supremo Tribunal Federal (STF). Advogados enfatizaram para o ministro e relator dos processos da #Lava Jato, Edson Fachin, que ordenasse à Polícia passar informações como o número de telefone de quem fez a denúncia e até mesmo o agente policial que atendeu à ligação realizada no dia 14 de julho de 2017.

Uma foto marcante sobre o fato foi muito divulgada nas redes sociais. A foto tirada por policiais mostram um cômodo do apartamento com várias malas de viagem e caixas recheadas com muito dinheiro. O apartamento é em Salvador, Bahia.

Geddel é muito próximo do presidente Temer. A amizade entre eles é longa. Os R$ 51 milhões encontrados não foram declarados na Receita Federal.