Publicidade
Publicidade

A mudança no comando da pasta de Cidades foi a primeira feita por Michel Temer após ter sinalizado que iria realizar uma reforma ministerial "ampla". O antigo ministro, deputado Bruno Araújo (PSDB-PE) [VIDEO], tomou à frente e decidiu logo pedir demissão. Sabendo que seu cargo era de interesse do #PP e que o objetivo central da reforma era tirar espaço do seu partido, o PSDB, e remanejar poderes ao Centrão (o qual o PP ocupa), com o objetivo de conseguir apoio para aprovar a reforma da Previdência, o tucano já tinha conhecimento que seria substituído e não quis dar esse gostinho ao Planalto.

Como já era bastante especulado durante a semana que culminou com a saída de Araújo da pasta das Cidades, o PP seria o agraciado com os cofres robustos do ministério.

Publicidade

A questão era: "quem irá chefiar?". Michel Temer matou dois coelhos com uma cajadada só: entregou o ministério que o PP queria e fez um afago em Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara dos Deputados [VIDEO], nomeando o deputado Alexandre Baldy (GO), que foi indicação pessoal do parlamentar carioca.

Quem é Alexandre Baldy?

O deputado era até a última segunda-feira (20) filiado ao Podemos. Após sua decisão de ocupar um ministério no governo de Michel Temer, o partido divulgou uma nota informando que o parlamentar seria desfiliado, pois sua opção de aceitar uma posição junto ao Executivo era "incompatível" com a independência do Podemos com relação ao Planalto. Após a saída de Baldy, já ficou acertado que ele irá fazer parte dos quadros do PP.

O novo ministro das Cidades tem pouca ou nenhuma representatividade política.

Publicidade

Esse é apenas o primeiro mandato do parlamentar na Câmara dos Deputados. Curiosamente, em tão pouco tempo, também já é a segunda mudança de partido de Baldy. Em 2014, foi eleito deputado federal pelo PSDB. Em 2016, deixou de ser tucano e foi integrar os quadros do Podemos. Agora, já muda novamente e será da bancada do PP.

Essa total falta de ideologia política, pulando de partido em partido quando o convém, pode ser explicada por seu histórico. Alexandre Baldy é um empresário goiano que resolveu se aventurar na política em 2011, quando foi convidado pelo governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), para ocupar a secretaria estadual de Indústria.

A obediência parlamentar de Baldy lhe rendeu o direito de assumir a pasta das Cidades. O novo ministro de Temer não deu um voto sequer contrário aos interesses do peemedebista. O deputado goiano foi a favor do impeachment de Dilma e votou contra ambas as denúncias envolvendo Michel Temer. Também deu seu voto sim pela reforma trabalhista e na comissão especial que aprovou a reforma da Previdência.

Publicidade

Essa postura governista fez com que ele perdesse o cargo de líder da bancada do Podemos.

O deputado é um dos mais próximos a Rodrigo Maia. Temer atendeu a indicação do presidente da Câmara como um aceno na tentativa de apaziguar a situação e facilitar a aprovação da reforma da Previdência.

História pessoal

Alexandre Baldy é casado há 16 anos com a mesma mulher, Luana Limírio, e pai de dois filhos. Ele declarou, em 2014, quando se candidatou para a Câmara dos Deputados, um patrimônio de R$ 4,2 milhões. Empresário de 37 anos, o novo ministro das Cidades tem sociedade em cinco empresas.

Histórico controverso

Ainda quando ocupava uma secretaria no governo de Goiás, Baldy foi citado na CPI do Cachoeira, que tratava sobre jogos de azar. Carlinhos Cachoeira, um dos bicheiros mais famosos do País, foi gravado em conversas com o novo ministro de Temer. A Comissão Parlamentar de Inquérito sugeriu que Cachoeira possuía influência sobre o então secretário do governo de Goiás. O governador do Estado, Marconi Perillo, também foi citado na investigação. #Dentro da política