O ex-presidente #Lula atacou a política de governo do presidente #Michel Temer dizendo que ‘isso não é política’. O governo atual, segundo Lula, é a reprise dos filmes ‘O Exterminador do Futuro 1 e 2’ juntos, pois não constrói nada; apenas destrói. A declaração foi dada ao jornal francês Le Monde e publicada na edição online deste sábado (18).

Lula criticou a redução de investimentos em educação, o que ‘há de mais sagrado’, e nas áreas científica e tecnológica, além da venda do patrimônio público através de programas de privatização.

2018

O petista provocou seu opositor afirmando que se for eleito em 2018 fará um referendo para sondar a população sobre as #reformas promovidas por Temer, como a trabalhista, já aprovada no Congresso Nacional.

Publicidade
Publicidade

A partir da consulta, o assunto seria rediscutido pelo Legislativo.

Porém, Lula não confirmou se pretende lançar sua candidatura para a disputa à presidência no próximo ano. Disse que essa deverá ser uma decisão do PT porque a ‘hora da verdade chegará’, segundo ele. Por outro lado, deixou claro que está pronto para assumir o poder: ‘Ainda posso ajudar os mais pobres’, enfatizou em tom de campanha.

‘Hipócrita e ridícula’

Ao falar do risco de haver um impacto negativo sobre o mercado financeiro em caso de uma nova candidatura em 2018, o ex-presidente classificou a preocupação como ‘hipócrita e ridícula’. Apesar de ser visto com um presidente populista na América Latina, o petista acha que ninguém tem medo de um possível novo governo, pois o dele teria representado ‘um dos melhores momentos para a economia’ nacional.

Publicidade

Para Lula, ‘eles’ têm medo porque o petista não permitirá a venda do patrimônio público: Eletrobras, Petrobras, bancos públicos e a Amazônia. O ex-presidente tem convicção que os ‘mercados’ sabem que seu governo privilegiaria a produção e não a especulação financeira.

O Brasil, de acordo com o petista, não necessita de um presidente ao estilo de Emmanuel Macron, eleito com a promessa de promover uma profunda reforma política na França. Ele acredita que uma coisa é o que Macron disse para se eleger, outra o que acontece na prática de um governo, dando a entender que, daqui cinco anos, o presidente francês não terá cumprido a meta proposta [VIDEO].

Lava Jato

Na entrevista ao Le Monde, Lula também não poupou críticas à Lava Jato. Apesar de não se declarar contra a Operação ou as medidas para suprimir atos de corrupção, condenou a investigação pelo que classificou de ‘excessos’ e ‘mentiras’ e pelo ‘erro’ de ter quebrado empresas, atingido trabalhadores com o desemprego.

O ex-presidente disse que a Lava Jato foi politizada, midiatizada e virou uma espécie de show pirotécnico.