Publicidade
Publicidade

A reforma ministerial [VIDEO] prometida por #Michel Temer está cada vez mais próxima de ser realizada. Alguns nomes já foram especulados que irão sair, outros que irão entrar, já tem até aqueles que se apressaram e pediram demissão, como é o caso do ex-ministro das Cidades, Bruno Araújo (PSDB-PE) [VIDEO]. Uma das pastas mas desejadas pela base aliada é a da Secretaria de Governo, atualmente ocupada pelo tucano Antonio Imbassahy (PSDB-BA). O problema para aqueles que querem ver o deputado baiano pelas costas é que Michel Temer tem um apreço especial por ele.

Deputados do Centrão e do PMDB querem a saída de Imbassahy o mais rápido possível da pasta de articulação do governo.

Publicidade

Porém, Temer está batendo o pé. Segundo informações da Folha de S. Paulo, a bancada peemedebista apoia a demissão do tucano ainda essa semana. Já o chefe do Executivo quer deixar o ministro no cargo pelo menos até a convenção nacional do PSDB, no dia 9 de dezembro.

A posição de Temer é que, com a nomeação de Alexandre Baldy (PP) para a pasta das Cidades, não é hora de fazer mudanças muito bruscas e que a maior reivindicação feita pelo Centrão já foi atendida. O pensamento de Temer esperar até o dia 9 de dezembro é porque Imbassahy pode ser obrigado a entregar o cargo, caso o PSDB decida na convenção desembarcar do governo. Dessa maneira, Temer não teria que movimentar nenhuma peça nesse xadrez. #Dentro da política