Publicidade
Publicidade

Com as eleições presidenciais de 2018 se aproximando, as promessas e campanhas já começam a aparecer, apesar de não haver ainda nem mesmo candidatos oficiais, já que ainda não chegou no período oficial permitido por lei. Os dois maiores nomes que estão vindo para 2018 são o ex-presidente da República, Luiz Inácio #Lula da Silva (PT), e o deputado federal Jair #bolsonaro, eleito pelo estado do Rio de Janeiro, que recentemente saiu do PSC (Partido Social Cristão) e foi para o Partido Patriotas (antigo PEN - Partido Ecológico Nacional).

Enquanto o ex-presidente representa a esquerda do País, defendendo minorias e com um discurso populista, o deputado federal é o que o País há muito tempo não tem, um candidato da direita conservadora, com discursos que não compactuam com o politicamente correto, sempre causando certas polêmicas, se posicionando cada um num polo diferente.

Publicidade

Lula é um grande nome para possível candidatura, mas existe a possibilidade do ex-presidente nem mesmo poder participar da corrida presidencial [VIDEO], já que o petista foi condenado a nove anos e meio de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Logo. o cenário das eleições de 2018 ainda está incerto, tendo a candidatura de Lula como um elemento crucial para o resultado.

Com posições totalmente contrárias um do outro, os dois estão sempre se envolvendo em atritos com comentários criticando um ao outro. E a última alfinetada partiu do ex-presidente Lula, num discurso contra o conservador Bolsonaro.

Segundo o petista, Bolsonaro é "resultado do ódio despejado pela Rede Globo", o que é irônico, já que Jair Bolsonaro constantemente se põe contra a emissora [VIDEO] e afirma ser atacado pela empresa dos Marinhos, seja por notícias tendenciosas ou até mesmo por omissão de sua popularidade.

Publicidade

Mas o ex-presidente não parou por aí, continuando seu discurso contra o conservador Bolsonaro: “Falar em democracia é muito importante e necessário. […] Na medida em que a gente se cala, na medida em que a gente aceita as mentiras que são contadas todo dia, eles vão ocupando espaço. Vão negando a política, os partidos, o movimento sindical, as reivindicações. Daqui a pouco a gente começa a achar normal o mundo ser assim. De repente a gente vê começar a surgir um tipo igual Bolsonaro”.

O ex-presidente também relembrou os tempos em que governava o País e disse que se ele já conseguiu salvar o Brasil uma vez, logo poderá salvá-lo uma segunda vez também. E como de costume, o petista focou nas minorias, como os negros e os LGBT's, afirmando ter melhorado o Brasil especialmente para eles, como os discursos de esquerda normalmente são feitos. E se referiu ao seu mandato como o tempo em que os brasileiros puderam acreditar que o Brasil poderia ser um país bom e que foram "momentos felizes".

Publicidade

#Eleições 2018

Outros políticos já tradicionais brasileiros também já mostraram pretensão de candidatura, como Marina Silva (Rede Sustentável), que é figura usual nas eleições presidenciais e está rolando na imprensa a dúvida de quem o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) irá lançar como candidato, tendo dois nomes principais, o prefeito da cidade de São Paulo, João Doria, e o governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin.

No ano de 2018, o capital para campanhas políticas será reduzido consideravelmente, já que passou a ser proibida a doação de dinheiro por parte de empresas.