Publicidade
Publicidade

O G1, portal de notícias da Globo.com [VIDEO], fez um levantamento sobre as promessas feitas e o que foi cumprido por #Michel Temer nesse último ano de governo. O peemedebista fez promessas específicas no documento batizado pelo seu partido de "Uma ponte para o futuro", ainda na época do fim da gestão da presidente Dilma Rousseff [VIDEO]. Durante dois pronunciamentos: um em maio, quando a petista foi afastada pela Câmara dos Deputados; o outro em agosto, durante seu discurso de posse. Por fim, em entrevista ao Fantástico, programa da Rede Globo.

O levantamento feito pelo G1 levou em consideração o status das promessas até o dia 31 de dezembro de 2016.

Publicidade

Michel Temer fez 20 promessas. Segundo o infográfico, dez não foram cumpridas, seis foram concluídas, três estão sendo efetuadas e uma não foi avaliada.

Economia

A área do governo que Michel Temer mais fez promessas foi a da Economia, 13. Porém, apenas duas foram concluídas: "Transformar o equilíbrio fiscal um princípio constitucional" e "Retornar ao regime anterior de concessões na área de petróleo". Ambas as promessas foram apresentadas no documento "Uma ponte para o futuro".

Uma única promessa foi cumprida em parte: "Alcançar a estabilidade da relação dívida/PIB e uma taxa de inflação de 4,5%". Segundo o documento apresentado pelo PMDB de Temer, a proposta é que em no máximo 3 anos aconteça essa estabilidade e atinja a meta da taxa de inflação. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) atingiu a meta desejada, chegando a 2,70% em outubro, na última aferição, segundo o IBGE.

Publicidade

Já a relação PIB e dívida cresceu em 2017.

Outras promessas

Uma das promessas que não foram cumpridas por completo por Michel Temer foi a de demitir ministros que por ventura cometessem alguma irregularidade. A afirmação do peemedebista foi feita durante entrevista ao Fantástico, em maio do ano passado. "Se um ou outro ministro não proceder adequadamente, fiz até este alerta na reunião do ministério, é claro que ele estará fora da equipe ministerial", disse Temer.

O peemedebista não cumpriu a promessa no caso de Geddel Vieira Lima, por exemplo. O secretário de Governo teve que entregar o cargo para que saísse. Geddel está preso e foi encontrado um "bunker" com milhões de reais em sua responsabilidade.

Além de Geddel Vieira Lima, outros oito ministros/ex-ministros de Michel Temer são investigados e foram denunciados, mas o peemedebista não se movimentou para tirá-los. São os casos de: Eliseu Padilha (Casa Civil); Moreira Franco (Secretaria-Geral); Gilberto Kassab (Ciência, Tecnologia e Comunicações); Bruno de Araújo (Cidades); Aloysio Nunes (Relações Exteriores); Marcos Pereira (Indústria e Comércio Exterior); Blairo Maggi (Agricultura); Helder Barbalho (Integração).

Publicidade

Alguns desses já saíram, porém, pedindo demissão, como são os exemplos dos tucanos Bruno de Araújo e Aloysio Nunes.

Uma outra promessa feita pelo peemedebista foi quando ele afirmou ao Fantástico em maio do ano passado que não iria se candidatar no pleito presidencial de 2018. "'Não é a minha intenção, e é a minha negativa. Eu estou negando a possibilidade de uma eventual reeleição', afirmou Temer.

Uma promessa cumprida por Michel Temer foi a de aprovar a reforma trabalhista. O peemedebista havia prometido que isso ocorreria em discurso no dia de sua posse, em agosto de 2016. Outra promessa cumprida foi a manutenção dos programas sociais do governo petista. Esse era um medo e um debate que existia durante o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Em maio de 2016, em seu primeiro pronunciamento após o afastamento de Dilma, Temer afirmou que não iria encerrá-los. #Dentro da política