A região da cidade de Maquiné, no litoral norte do Rio Grande do Sul, é famosa por suas matas, morros e cachoeiras deslumbrantes. Esta natureza praticamente inóspita atrai grupos de aventureiros, naturalistas e pessoas que querem manter contato direto com a natureza. Certamente este interesse fez um grupo de 7 pessoas embrenhar-se no lugar conhecido como "Cascata da Melissa", na localidade de Linha Rio do Ouro. Um verdadeiro e fascinante "fim de mundo", onde só se pode chegar caminhando por um período mínimo de 10 horas em meio a mata.

A atividade de rapel era uma iniciativa do grupo Schuster Adventures, formado por pessoas experientes neste tipo de aventura e todas preparadas para enfrentar o ambiente rústico e ainda intacto.

Publicidade
Publicidade

No local onde fica a cachoeira, existe um paredão com cerca de 150 metros de altura, ideal para a prática de rapel. O ponto de apoio que eles utilizavam era a Pousada Refúgio Verde e mesmo assim, com precárias condições de comunicação, pois nem telefone celular é possível utilizar.

O grupo saiu da Pousada na manhã de sábado (24), mas não voltou. Segundo informações colhidas por integrantes da Brigada Militar do Rio Grande do Sul que estiveram no local e imediações, eles estavam iniciando a descida de uma cascata de 130 metros de altura. Mas um ataque feroz de abelhas, por volta das 15h de sábado, levou ao caos total. As duas vítimas fatais, talvez tenham falecido por não prosseguirem na descida pelas cordas, mesmo com o assédio das abelhas. O primeiro resolveu cortar a corda do equipamento e o outro não acionou os freios e fez uma descida brusca.

Publicidade

O restante do grupo continuou a descida. Sofreram vários ferimentos, mas sobreviveram. Os dois caíram nas pedras, o que os levou à morte.

Dois sobreviventes caminharam por 15 horas dentro da mata para solicitar o resgate do grupo. No ano de 2010, neste mesmo local, já havia acontecido um acidente com um grupo de rapel, na mesma cachoeira.

Na manhã de domingo iniciou a operação de resgate, com a Brigada Militar montando uma base de monitoramento da crise em Barra do Ouro. Os policiais só conseguiram chegar ao local do acidente ao meio dia. O grupo de aventureiros e praticantes de rapel era formado por 12 pessoas, com 5 casais e 2 as duas vítimas fatais. O resgate está sendo feito com uso de helicópteros do Batalhão de Aviação da Brigada Militar e deverá ser concluído só na segunda-feira.