José Ivo Sartori (PMDB) esteve no Hemocentro em Porto Alegre na manhã desta segunda-feira (9). O governador do Rio Grande do Sul mudou o compromisso político após escutar o pedido de doação de sangue na Rádio Gaúcha (RBS - filiada da Rede Globo), que explicou o baixo índice de estoque de sangue nesta época do ano. Em 36 anos de atuação, foi a primeira vez que a instituição, que atende 52 hospitais da Região Metropolitana e Litoral Norte, recebeu um governador para realizar doação.

Sartori declarou que sempre teve esse hábito em Caxias do Sul, sua terra natal. "Aprendi cedo que doar faz bem à saúde", afirmou o governador ao programa de rádio "Gaúcha Atualidade".

Publicidade
Publicidade

Silvia Spalding, funcionária do Hemocentro, aproveitou a presença do líder do RS para reforçar a campanha. "Imite o governador, fazendo um ato de altruísmo", disse ela.

Ele não escapou de comentar sobre um dos temas mais falados no Sul do País: o corte de gastos do governo estadual. O peemedebista enfatizou que as medidas serão mantidas por seis meses.

Sartori assinou um decreto para protelar o pagamento das dívidas que ficaram da gestão anterior do ex-governador Tarso Genro, orçadas em cerca de R$ 700 milhões. As medidas causaram polêmica, pois incluem suspensão de pagamentos de fornecedores do governo do Estado por 180 dias, congelamento temporário de novos concursos públicos e nomeações dos aprovados. Também inclui corte nos gastos com passagens aéreas e diárias para fora do RS, adiamento de quitação dos valores pendentes de pagamento da gestão passada e busca de líderes de outros poderes e instituições para negociar o contingenciamento do orçamento do Judiciário, Ministério Público e Assembleia Legislativa.

Publicidade

Tarso Genro manifestou-se no Twitter sobre as medidas do atual governador: "Sartori recebeu procuração em branco, é preciso aprofundar o debate sobre o verdadeiro sentido das políticas de austeridade". Ele aproveitou o espaço para criticar a mídia local: "Quem entra, tem período de graça. Não critiquei Sartori, Disse que se fosse eu, a mídia, que está em "dúvida", diria, sem dúvida, que era um calote".