O traficante Teréu, Cristiano Souza da Fonseca, foi morto hoje (7) dentro do refeitório do Presídio de Alta Segurança de Charqueadas, Rio Grande do Sul, perante as câmaras de segurança no local. Os autores, presidiários, já foram isolados .

Teréu, estava preso por ilegal de armas, suspeito de ordenar a de Xandi, Alexandre Goulart Madeira, em janeiro. Xandi, que, no condomínio onde morava, teve como homenagem póstuma, a pintura de um painel na parede do prédio com a sua figura.

A comunidade de amigos de Xandi está comemorando com música e foguetório no condomínio, numa avenida próxima ao centro da cidade.

A sucessão de execuções e tiroteios em vias públicas da cidade nunca teve paralelo em nenhum momento, deixando a polícia impotente, pois as ocorrências pipocam por vários lugares e a ousadia dos assassinos não escolhe hora nem local, sendo que na execução de Teréu, os matadores, que cumprem pena, não se importaram em ser identificados, revelando destemor às conseqüências.

Publicidade
Publicidade

Esse clima de massacre coincide com cortes profundos de recursos federais, estaduais e municipais para todas as funções públicas, incluindo a segurança.

A política de vigilância da fronteira do Brasil, de 15.000 km, com 10 paises para evitar entrada de armas, por mais que seja tentada é ineficaz. Soma-se a isto 8.000 km de litoral, onde também a vulnerabilidade e grande.

Explosões de terminais bancários, assaltos, homicídios e execuções já se tornaram, infelizmente, banalidade no noticiário. Ações de apreensões de drogas e armamentos assemelham-se a figura de "secar barras de gelo", ou seja, realizar algo que jamais terá o sucesso desejado.

As políticas de investimento em educação voltada para a juventude e resgate dos mais pobres pela garantia de renda mínima e oferta de emprego, também, no momento, com carência de recursos, nada prometem a curto prazo.

Publicidade

Este episódio, apesar de focado em duas pessoas de apenas uma cidade é emblemático para toda a realidade brasileira. O tráfico de drogas, inegavelmente, é, ao mesmo tempo, o motor e o combustível do aumento desenfreado da criminalidade em todo o Brasil, tanto nas grandes quanto nas pequenas cidades. Somente uma ação de educação continuada, para criar uma juventude sadia e com perspectivas de futuro poderá, a médio prazo, resgatar o futuro do Brasil. #Violência