O estado do Rio Grande do Sul ficou surpreso, quando nesta sexta-feira, 28, foi noticiado que um dos profissionais da RBS TV, televisão de maior audiência na região e afiliada da Rede Globo, foi preso acusado de ter estuprado uma menor de idade. A menina teria apenas 14 anos. O jornalista Peterson Furlan trabalha como repórter na Globo, tendo estado também em outras emissoras de TV. Ele foi preso na cidade de Santa Maria, que ficou conhecida em todo o país por conta do incêndio que vitimou vários jovens na boate Kiss.

De acordo com a menina de 14 anos, que não teve o nome identificado, o jornalista teria tentado estuprá-la em uma famoso clube particular da cidade de Santa Maria.

Publicidade
Publicidade

Peterson Furlan exerce as atividades de comunicador social na região para a TV Globo. O repórter e a menina menor de idade foram encaminhados para exames médicos, com o intuito de se averiguar se o estupro de fato se concluiu ou não. Após o exame de corpo de delito, a menina e Peterson precisaram dar depoimentos na Delegacia da Criança e do Adolescente na região.

De acordo com a delegada titular do órgão, Carla Dolores Castro de Almeida, Peterson Furlan foi preso porque foi pego em flagrante por tentar estuprar a jovem. Ela está acompanhando o caso e também está a frente das investigações. A delegada mandou que o repórter fosse enviado para a Penitenciária Estadual de Santa Maria já na tarde desta sexta-feira. 

Emissora espera investigações

Segundo informações do G1, site de notícias do Grupo Globo, a RBS TV e a Globo aguardam as investigações para tomar qualquer providência.

Publicidade

No entanto, o canal do Rio Grande do Sul informou que no momento da prisão, o jornalista não estava em horário de trabalho. Caso seja comprovado que Peterson realmente abusou da menina, ele deve ser sumariamente demitido. O advogado do repórter afirmou que Furlan nunca teve qualquer contato com a garota que o está acusando.

Se condenado, o jornalista pode pegar até vinte anos de prisão, já que o estupro é um #Crime inafiançável pela Constituição Federal Brasileira.  #Televisão