A semana começou com uma triste notícia, pois um caminhão veio a perder um eixo completo na BR-386 e acabou atropelando quatro crianças indígenas em Estrela, no Rio Grande do Sul. O trágico acidente aconteceu no Km 360 da BR e das quatro atropeladas, três vieram a falecer no local. A quarta criança chegou a ser socorrida e foi encaminhada pra um hospital mais próximo.

A Polícia Rodoviária Federal está pedindo ajuda à população para que ajude a identificar o caminhão, que não ficou no local para prestar socorro. Adão Madril, que é chefe da 4ª Delegacia da PRF disse que está esperando qualquer informação que possa levar ao motorista do caminhão.

Publicidade
Publicidade

As 4 crianças indígenas estavam indo para a escola quando foram atropeladas. Elas seguiam pelo acostamento e foram atingidas pelo caminhão desgovernado. O cacique da tribo local ao ser entrevistado disse que os atropelamentos na região são constantes e completou: "Somos índios, não bichos!"

O fato comoveu todo o país e também causou muita revolta, primeiro pelo fato do motorista não ter sequer parado para prestar ajuda às crianças indígenas atropeladas e depois por esta ser uma região onde há sempre atropelamentos. As aldeias indígenas não recebem o devido suporte do Governo e as crianças precisam transitar pela BR-386 para terem acesso à escola.

O local encontra-se interditado nos dois sentidos e não há previsão de quando será liberado. As equipes de resgate ainda encontram-se no local e a criança que foi socorrida e levada ao hospital continua sendo acompanhada de perto pelos médicos.

Publicidade

Pessoas que moram próximas ao local confirmaram que este tipo de acidente é constante e que foi preciso que 3 crianças inocentes morressem para que as autoridades agora possam tomar alguma providência.

Ainda não há nenhum projeto para o local, nem construção de uma passarela ou colocação de redutores de velocidade para ajudar a reduzir os acidentes.

O assunto logo tomou conta das redes sociais e já era um dos mais comentados no Twitter, onde muitos usuários protestaram e deixaram seus comentários:

#Comportamento #Casos de polícia