O caos acarretado pela tempestade que acometeu Porto Alegre e dezenas de outras cidades do Rio Grande do Sul nessa semana segue causando estragos e registrando marcas históricas. Nesse sábado (17), o nível do lago Guaíba alcançou à marca de 2,93m - maior índice dos últimos 74 anos. 

Logo pela manhã, o sistema de medição do Cais Mauá, localizado na região central da capital gaúcha, apontou a marca, que é a segunda maior cheia de toda a história do rio. As chuvas foram tão fortes que até mesmo algumas partes do cais estão alagadas. As autoridades seguem atentas e mobilizadas para evitarem novos transtornos.

A única marca que supera o nível de água do Guaíba atingido hoje é a do ano de 1941, quando o riu atingiu o seu recorde com 4,76 metros.

Publicidade
Publicidade

Naquela ocasião, uma terrível enchente tomou conta de Porto Alegre e até hoje é frequentemente lembrada por historiadores e estudiosos da cidade.

Também este sábado, a Defesa Civil do RS divulgou um novo boletim contendo números referentes aos estragos ocasionados pelos temporais dessa semana. Em 100 cidades gaúchas, 146.949 mil pessoas foram atingidas. Mais de 34 mil casas tiveram algum tipo de prejuízo. Encontram-se desabrigadas 1.792 famílias e outras 5.352 estão desalojadas (rumaram para casa de amigos e/ou familiares).

O Governo do Estado determinou situação de emergência para 26 municípios. Outras seis cidades, individualmente, decretaram o mesmo estado. Ciente da gravidade da situação vivida pelo Rio Grande do Sul, o Governo Federal, por meio do Ministério da Integração Nacional, tem prestado apoio e já enviou representantes para auxílio dos mais diversos.

Publicidade

Também foram enviados milhares de kits de humanidade, que fornecem utensílios básicos para os mais afetados.

Além das ruas alagadas, carros danificados e casas destruídas, três vidas foram perdidas em meio ao caos vivido pelo RS nos últimos dias. Em Rio Pardo, uma jovem mãe e seu filho morreram ao serem atingidos por uma árvore. Já em Porto Alegre, um jovem identificado como Gustavo Oliveira, morreu afogado ao tentar atravessar um córrego. #Natureza #Mudança do Clima