Cinco pessoas foram presas em uma operação policial contra o tráfico de drogas em Porto Alegre (RS). A quadrilha usava prostitutas para vender cocaína e ecstasy para clientes de luxo. Os programas aconteciam em hotéis de alto nível da cidade. Os principais "clientes" eram jovens universitários. 

O programa com as drogas custavam até mil reais. A quadrilha usava sites de acompanhantes e até anúncios em jornais para divulgar. A operação, batizada de 'Luxúria', começou há seis meses, após a denúncia de uma das acompanhantes que fazia parte do esquema. A prostituta, em depoimento, afirmou que a quadrilha a obrigava a fazer o programa e oferecer a droga.

Publicidade
Publicidade

Foram usados 50 policiais na operação. Foram cumpridos seis mandados de prisão, além de 8 mandados de busca e apreensão. A rede criminosa contava com aproximadamente 60 prostitutas. Os suspeitos presos por tráfico não tinham antecedentes criminais, e a maioria são universitários, de família de classe alta.

A droga era adquirida de fornecedores no Paraguai e em Santa Catarina. Entre os seis detidos, também está uma ex-prostituta que fazia o aliciamento de outras prostitutas em casas noturnas de Porto Alegre e região. Ela abandonou a carreira de prostituta e se tornou uma das gerentes do esquema. 

A atividade era bastante lucrativa. Cada gerente tinha sua equipe de acompanhantes. Os lucros com cada equipe chegavam a 15 mil reais por mês. Além de drogas, foram apreendidos carros, toucas ninjas, uma arma e dinheiro.A quadrilha também contrabandeava cigarros do Paraguai. Mesmo sendo uma quadrilha amadora, e mesmo os envolvidos não tendo antecedentes criminais, os traficantes eram violentos, segundo o delegado Mário Souza, que coordenou a operação.

Publicidade

As acompanhantes eram ameaçadas pela quadrilha para vender a droga, com ameaça de que se as mesmas não fizessem, eles iriam comprometer a imagem das mesmas com postagem de vídeo e fotos na internet. Algumas chegaram até a ser ameaçada de morte. Além de mulheres, o esquema de prostituição também contava com homens no serviço de garotos de programa. #Crime #Blasting News Brasil #Casos de polícia