Um grupo de taxistas protagonizou um enorme ato de violência no final da tarde desta quinta-feira (26), em pleno estacionamento do supermercado Carrefour, na Avenida Bento Gonçalves, no Bairro Partenon, em Porto Alegre. Assim que um motorista do Uber deixou o seu passageiro, os taxistas arrancaram o condutor do carro e desferiram uma série de agressões. O veículo também ficou danificado.

Com o rosto desfigurado, a vítima foi encaminhada ao Hospital Cristo Redentor depois de um breve atendimento pelo Samu. Informações extraoficiais davam conta de que dois taxistas envolvidos nas agressões haviam sido presos pela polícia.

Publicidade
Publicidade

A Empresta Pública de Transporte Coletivo (EPTC) relata que vai investigar o caso e que poderá suspender os motoristas que estiverem envolvidos no episódio.

Em um relato à reportagem do jornal gaúcho Zero Hora, o condutor agredido resumiu a forma como foi abordado na hora das agressões. “Cheguei com passageiro e já vieram para cima. Devia ser uns dez. Me puxaram e eu tentei fugir. Fiquei uns dez minutos sendo agredido no estacionamento do supermercado (…) Eu estava trabalhando e não roubando ninguém. Preciso trabalhar, tenho minha família”.

O clima de tensão entre os taxistas convencionais e os motoristas do serviço de caronas pagas cresce desde o último final de semana, quando o Uber começou a operar pelas ruas da capital. Já no sábado alguns motoristas de táxi impediram a passagem de um condutor do aplicativo em um bairro nobre da capital.

Publicidade

Nesta quarta-feira (25), diversos taxistas estiveram na Câmara dos Vereadores acompanhando a votação do projeto de lei que proibiu o serviço na capital dos gaúchos. Contudo, a pauta ainda precisa ser sancionada pelo prefeito José Fortunati. Até lá, a assessoria do Uber garantiu que o serviço seguirá atuando em Porto Alegre. #Trabalho #Inovação #Crise