O temporal que atingiu a Fronteira da Paz, formada pelas cidades siamesas de Santana do Livramento no Brasil e Rivera no Uruguai, deixou um rastro de destruição. As cidades ficaram isoladas desde a tarde desta última terça-feira, dia 5, quando o bueiro que passa por debaixo da Br158 não suportou o grande volume de água que desceu do Cerro de Palomas e cedeu, abrindo uma cratera com mais de cinco metros.

O incidente isolou Santana do Livramento (cidade gaúcha símbolo do Mercosul) da Capital Gaúcha e demais cidades da região central do Rio Grande do Sul. O rompimento ocorreu no quilometro 548, nas imediações de acesso a vinícola Almadém.

Publicidade
Publicidade

Apesar de o fato ter ocorrido no Brasil, causa muitos transtornos a ambas as cidades porque todos os turistas que buscam os free shops de Rivera neste período, basicamente só tem um caminho a seguir: via Santana do Livramento pela Br158.

Tão pronto foi informado do ocorrido – o engenheiro Alexander Souza do DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) tratou de convocar a Defesa Civil e alguns órgãos ambientais de Santana do Livramento e traçaram um plano emergencial para liberarem o trafego nos dois sentidos, uma vez que esta é a principal via de acesso à cidade de Santana do Livramento.

A equipe chefiada por Alexander está trabalhando incessantemente, construindo um desvio lateral, no entanto, eles esperavam ter que construir uma estrada de pouco mais de 200 metros em curva, em um terreno instável e íngreme por sobre um rio.

Publicidade

Só que, enquanto isso não acontece, a alternativa para os mais corajosos está sendo utilizar um desvio vicinal, outrora utilizado por contrabandistas para fugirem das fiscalizações da Receita Federal, de 10 quilômetros em torno do Cerro de Palomas, mas que pode causar muitos transtornos, uma vez que não é pavimentado e com toda esta chuva que vem caindo nas últimas semanas, a estrada está completamente enlameada com inúmeros atoleiros. 

No entanto, grande parte dos turistas e demais viajantes que não quiseram se arriscar, optaram por estacionarem seus veículos no acostamento e percorrerem os 25 km até os free shops de táxi para efetuarem suas compras. Já algumas empresas de ônibus decidiram não cancelar suas rotas e disponibilizaram dois veículos para os passageiros.

Porém, a Estação Rodoviária de Santana do Livramento suspendeu a venda de passagens para cidades como: São Paulo, Curitiba, Florianópolis, Porto Alegre, Caxias do Sul, Rosário do Sul, Bagé, Dom Pedrito, Santa Maria, todas que o único acesso é via Br158.

Espera pode render lucros

Enquanto não for normalizada esta situação, muitos turistas argentinos que costumam ingressar no Brasil rumo ao litoral gaúcho e catarinense deverão percorrer 330 km a mais pela Br395 até a cidade de Quaraí e depois até Alegrete para, finalmente, ingressando na Br290, chegar a Porto Alegre e Litoral.

Publicidade

Caso optem por não fazer toda esta volta, a solução será aguardar a liberação da estrada emergencial que, conforme o entendimento de Alexander e se não chover pelas próximas horas, a passagem para veículos estará liberada em poucos dias.

Até lá, quem poderá lucrar com esta situação são os hotéis, restaurantes e o comércios de ambas as cidades, além dos táxis e de algumas chácaras em torno do local afetado, que estão servindo como albergue provisório e estacionamento privado. #Mercosul #Aluvião #Chuvas Torrenciais